Experiência na política

0
74
Iniciando a vida política, 1976

A preocupação de Geraldo Polezze com a comunidade estava ligada às origens simples de família honesta. Suas opiniões fortes em favor de temas sensíveis da cidade fizeram com que o jornalista e radialista naturalmente experimentasse a vida política.
Candidato a vereador, foi eleito em 1977 (até 31/01/1983). Lançou-se na política como representante do então Distrito de Gavião Peixoto. No início do primeiro mandato, sequer havia remuneração. Geraldo Polezze entrou na política por verdadeiro idealismo. Após início de recebimento de remuneração como vereador, Geraldo procurava destinar os valores a doações.
Esse cuidado com a comunidade era visto, por exemplo, numa conta aberta em farmácia, para a qual Geraldo Polezze enviava pessoas que lhe pediam medicamentos. Os valores eram arcados pelo então vereador Polezze.
Sucessivamente, foi eleito para os mandatos de 1983 até 1988; então, de 1989 a 1992. Foi Presidente da Câmara Municipal de Araraquara de fevereiro de 1981 a janeiro de 1983. Após seu último mandato, decidiu não mais concorrer.
Durante sua vida política, chegou a lançar-se candidato a deputado estadual (mas não confirmou a candidatura, ao final), para estimular outros araraquarenses a fazê-lo. Iniciou, portanto, um movimento em busca de representantes locais na Assembléia Legislativa e Câmara dos Deputados. Araraquara, em geral, passou a ter representantes em ambas casas nas eleições que se seguiram. Chegou a organizar a ida de ferroviários (incluindo aposentados e pensionistas) para a Assembleia Legislativa de São Paulo, na luta por direitos.

Enquanto Presidente da Câmara, toda sexta-feira, Polezze promovia reuniões cívicas com alunos de primeiro grau, auxiliado pelo professor José Guilherme De Nardi, sendo acompanhado pela banda do Décimo-Terceiro Batalhão.
No mesmo período, realizou o primeiro encontro de Presidentes do Legislativo Municipal.
Usava sua retórica, esmerada em anos como radialista, na defesa de seus ideais na tribuna. Fazia por amor, respeito e aspiração de poder contribuir com a comunidade. Jamais viu a vida política como “trabalho” ou “profissão”. Tanto por isso, não quis, nem cogitou, recebimento de qualquer forma de aposentadoria pela vida política.
A propósito, Geraldo Polezze era aposentado, mas tão somente pelo INSS. E, como sabemos e vemos, trabalhou desde criança até seu falecimento.

Deixe uma resposta