Vereadores não aprovam ditadura

Uma sessão periódica de Juri? Um inquérito policial? Um filme sobre inquisição? Não!!!

Apenas o presidente da Câmara Municipal de Boa Esperança do Sul, vereador Marco Aurélio, personificando advogado de acusação, promotor ou juiz que, inopinadamente e com resquícios ditatoriais e de posse de um Código Penal, abriu a sessão com a manifesta intenção de intimidar os 8 vereadores que assinaram requerimento pedindo reconsideração da votação sobre artigo que dispõe enseja ao prefeito remanejar o orçamento em até 50%.

O vereador-pesidente resolveu citar os artigos 146 (constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça…), 297 (Falsificar, no todo ou em parte, documento público…) e 299 (Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar…) e, ato contínuo, anunciou que o tal requerimento havia sido “indeferido”.

No citado documento, os vereadores declararam que estavam votando a favor do artigo que permite a agilidade do Executivo, “como tem sido uma rotina nas administrações de nossa cidade”, disse o Dr. Ronaldo.

O presidente Marco Aurélio colocou a ata em discussão e testemunhou o voto contrário dos vereadores descontentes com a sua maneira de agir em plenário.

Agressão

Diante da derrota, o presidente Marco Aurélio Rosim extrapola o seu direito e, adotando comportamento indevido e nada regimental, começa a questionar um vereador: você assinou, mas não redigiu o requerimento?

De imediato, Sebastião Rosim, embora parente não admite a injustiça com o companheiro:

– “Presidente, o Senhor não pode agir dessa maneira, num constrangimento inadmissível ao vereador.

Nisso, Marco Aurélio Rosim afirma:

– “eu não lhe dei a palavra rapaz…”.

A sessão foi transmitida pela Rádio Comunitária e, por certo, muita gente deve ter ficado assustada e consternada com o nível dos trabalhos legislativos.

Marelo

O prefeito de Boa Esperança, que vem sofrendo ataques sistemáticos, afirma que respeita os vereadores indentificados com o bem-estar da população e desenvolvimento da cidade. “Mas, estou encaminhando este processo à assessoria jurídica para a escolha do melhor caminho”, assinala.

A discussão é sempre bonita e essencial à democracia, e o povo aplaude. Mas, quando a discussão é recheada de rancor e ofensas pessoais, os eleitores não aprovam. Isso deve merecer a reflexão da respeitada Câmara Municipal de Boa Esperança do Sul. (Geraldo Polezze, jornalista)

Compartilhe :

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Falecimento – Maria Clara Polezze Fernandes

Feira das Nações acontece neste domingo (23) na Praça do Daae

Ordem de Serviço para reforma da UBS do Santana será assinada neste sábado (22)

Agenda para curtir a cidade no final de semana (21 a 23 de junho)

Tem show nesta sexta no Sesc Araraquara

CATEGORIAS