Teste o seu Português (739)

0
116

Prof.ª Dr.ª Terezinha de Jesus Bellote Chaman (*)

Terceira idade marca presença no Jornalismo Literário. (continuação).

“Não gosto e dar confiança para a razão, ela diminui a poesia.” (Manuel de Barros).

Formas de vida da mulher do século XXI: terceira idade.

[…] mire, veja: o mais importante e bonito, do mundo, é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas – mas que elas vão sempre mudando. Rosa (1976, p. 21).

Genofre (1995, p.102) reflete, em Família: uma leitura jurídica, como a velhice sempre foi discriminada em nosso país. Chamemos o seu testemunho:

“Os idosos, na sua maioria, são considerados inúteis, não sendo fácil a sua integração nem a participação nas diversas atividades da vida comunitária; isto, apesar de trazerem consigo uma carga muito grande de experiência de vida, sensibilidade e vivência social, elementos credenciadores a que se tornassem um polo agregador e fator de equilíbrio da família brasileira”.

Segue-se que, segundo o mesmo autor, necessário se faz uma proposta jurídica para a família. Somente a Constituição de 1988, movida por pressões de grupos sociais, contempla, no artigo 229, a obrigação da família, relativamente ao idoso.

Inicia-se, então, uma atitude coerente face à incoerência de o idoso não ser mencionado nas Constituições anteriores. Eis ai, nascente, uma nova categoria de pessoas, até então negligenciada: a terceira idade.

Refletir sobre o envelhecer é refletir sobre o mistério da condição humana em si. Envelhecer não é apenas um fenômeno que nos atinge exteriormente. Traz em si também um sentido. Em muitos povos, os idosos são os “guardiães dos mistérios e das leis” (Jung, 1967). Eles marcam a cultura de um povo. O sentido da velhice consciente está, pois, para Jung, na diminuição das forças corporais e na aceitação das forças espirituais e em dirigir o olhar para dentro. Na alma está a riqueza do ser humano. Nesse sentido, para além daquilo que as pessoas idosas são capazes de criar e realizar, o patrimônio que representam para a sociedade está na sua própria existência, nos questionamentos que elas – com a essencialidade de suas vidas e de suas escolhas – propõem a toda sociedade. Os idosos ajudam a priorizar os bens que nem o tempo, o cansaço, os limites físicos ou a doença são capazes de destruir. Terceira idade ou melhor idade? A sociedade já está tomando consciência do patrimônio social e espiritual que essas pessoas representam, e começa a dar sinais de resgate dessa riqueza. Por outro lado, eles mesmos estão percebendo que têm uma contribuição importante para oferecer a toda a comunidade e, em muitos casos, são protagonistas de iniciativas consistentes de promoção sociocultural e de solidariedade.
Conforme apontamos, nós nos restringiremos a formas de vida da mulher no século XXI. Mulher essa que, partícipe de vários segmentos da sociedade, não se retrai, mas está nela e traz para dentro desse espaço sua experiência, qual seja, aguçar o olhar, ver com profundidade, ir além, ultrapassando certos limites que são colocados para a cotidianidade banal.

Embora objetive falar da mulher na terceira idade, não posso deixar de ancorar minhas palavras no mestre Greimas que nos sugere, em De l’ imperfection, aos 70 anos, o sentido do sentido da vida, o sentido “da imperfeição” o sentido do inacabamento fundamental dos seres. Com Michel Tournier e Calvino, com Proust e Tanizaki, com Schiller e Baudelaire, com Barthes e “de novo” com Merleau-Ponty o re“encontro” com a intersensorialidade do mundo, com a unidade dos diversos modos de existência sensível, numa abertura crescente ao mistério do ser, ser que se manifesta e se oculta – mistério tematizado por Merleau-Ponty. É o mundo que aí surge, com suas indagações e inquietações, tudo tão inerente a todo o ser humano, seja homem, seja mulher, em especial na maturidade da idade avançada. Como escreveu Greimas, ao terminar o livro. evocando Goëthe: “Mais luz”! Esse o anseio de Greimas: “Mais luz”.

Esse deve ser o anseio da mulher da terceira idade no século XXI: “Mais luz”, aproximar-se mais da sabedoria, para saborear a si mesma e assim dilatar um bom sabor àqueles que encontra. Ser prazer em sua vida, estar em sintonia consigo mesma, vivenciando o verdadeiro sentido de sapiens, sapere, saborear, degustar.

Certo é que a mídia, impressa ou televisiva, nem sempre evocará essa mulher, vivendo tal estilo de vida, este contracorrente feito de coragem e vontade de viver. Estamos aqui evocando, em hipótese, A Mulher, que à maneira de Maria Beatriz Dreyer Pacheco (Bia Pacheco, como gosta de ser chamada), assombrada de si mesma, reage seu fazer, indo além das convenções socialmente admitidas. E o faz nos três percursos que ousaremos analisar.

O estudo do texto midiático impresso, televisivo, radiofônico e digital provavelmente jamais será deixado de lado, pois a preocupação com a concreção dos textos – enunciados, por mais que a Semiótica atual coloque-a em questão, é uma característica fundadora da episteme semiótica greimasiana. Portela (2008, p. 101).
Continua nas próximas edições…

Teste o seu Português

1 – Um delicioso _____________. Essa foi a receita que o “Chef” preparou, no almoço.
a ( ) gaspacho;
b ( ) gaspaxo;
c ( ) gazpacho;
d ( ) gazpaxo.

2 – Dizem que o sucesso profissional depende do ____________ de inteligência.
a ( ) quosiente;
b ( ) cociente;
c ( ) cuociente;
d ( ) quociente.

3 – No fermento, existe uma quantidade de ____________ de sódio muito bem dosada.
a ( ) bicabornato;
b ( ) bicarbonato;
c ( ) bicarbornato.

4 – Dona Maria sempre anota, na _________, as receitas de sua preferência.
a ( ) cardeneta;
b ( ) carderneta;
c ( ) caderneta;
d ( ) cardineta.

5 – A _________ e o _________ são filhotes do jacaré?
a ( ) largartixa – largarto;
b ( ) lagartixa – lagarto;
c ( ) largatixa – largato.

6 – Pedro ficou todo ____________, ao receber sua carteira de __________.
a ( ) satisfeito – identidade;
b ( ) sastifeito – indentidade.

(*) Pesquisadora do GEPEFA – Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Famílias – UNESP/Franca.

RESPOSTAS:

Resp 1.: a – Um delicioso gaspacho. Essa foi a receita que o “Chef” preparou, no almoço.
Gaspacho (= sopa fria). O gaspacho: substantivo masculino.
Gazpacho com z em espanhol, sopa fria.
Resp 2.: d – Dizem que o sucesso profissional depende do quociente de inteligência.
Quociente (= proporção entre a inteligência de um indivíduo e a inteligência normal ou média para a sua idade).
OBS.: Neves (2003) a forma cociente é variante de quociente, mas não ocorre.
Resp 3.: b – No fermento, existe uma quantidade de bicarbonato de sódio muito bem dosada.
Bicarbonato (= sal cristalino utilizado em fermento em pó).
Resp 4.: c – Dona Maria sempre anota, na caderneta, as receitas de sua preferência.
Caderneta (= caderno ou livro de apontamentos).
Resp 5.: b – A lagartixa e o lagarto são filhotes do jacaré?
Resp 6.: a – Pedro ficou todo satisfeito, ao receber sua carteira de identidade.
Satisfeito (= contente).
Carteira de identidade (= documento que constitui identificação legal para uma pessoa).

OBS.: Colunista semanal dos jornais Diário do Grande ABC (SP) e Jornal de Araraquara (SP), Jornal Independente – Dois Córregos (SP), Tribuna do Norte – Natal (RN), Jornal de Nova Odessa (SP), Diário da Franca – Franca (SP) e Diário de Sorocaba – Sorocaba (SP) – Jornal de Itatiba – Itatiba (SP) – O Liberal Regional – Araçatuba (SP) – Diário da Serra – Tangara da Serra (MT).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.