Prefeito Edinho se manifesta contra proposta de novo pedágio na Rodovia Washington Luís

0
145
Foto: Celso Luís Gallo

Em audiência pública realizada pela Artesp, nesta quarta-feira (27), Edinho salientou que novo pedágio entre Araraquara e Ibaté traria muitos danos econômicos e para a população da região

O prefeito Edinho participou de audiência pública realizada pela Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) em Araraquara, nesta quarta-feira (27), e deixou clara a posição da Prefeitura contra a proposta de nova praça de pedágio no km 255 da Rodovia Washington Luís (SP-310), entre Araraquara e Ibaté.
A audiência foi realizada na sede do Sest/Senat e teve presença de 95 pessoas, entre prefeitos, vice-prefeitos, vereadores, lideranças locais e moradores de Araraquara, Ibaté e São Carlos.
A proposta do novo pedágio consta no projeto de renovação e ampliação da concessão das estradas do Lote Noroeste, trecho de 1.022 quilômetros de extensão que engloba 49 municípios paulistas. Os investimentos previstos são R$ 11,9 bilhões para o período de 30 anos.
“Esta região já está extremamente onerada com as praças de pedágio. Entendemos as necessidades de investimentos e que eles necessitam de recursos. Dinheiro não ‘dá em árvore’. Mesmo ponderando tudo isso, esse novo pedágio provocará danos absurdos na nossa economia regional”, declarou Edinho.
O prefeito de Araraquara ainda ressaltou que a grande característica da nossa economia é agroindustrial, setor que seria prejudicado com o pedágio. “São pequenos, médios e grandes produtores que precisam alimentar as nossas usinas de açúcar e etanol, nossas fábricas de suco de laranja, em uma grande integração regional de fornecimento de matéria-prima e, também, de distribuição do produto final.”
Edinho ainda lembrou dos prejuízos no deslocamento entre Araraquara, Ibaté e São Carlos. “Nossa região é muito integrada. São pessoas que moram em Ibaté e trabalham em São Carlos, que moram em Ibaté e trabalham e estudam em Araraquara, que moram em Araraquara e estudam e trabalham em São Carlos, pessoas de São Carlos que trabalham em Ibaté ou Araraquara. É impossível pensarmos nesta região sem entendermos que ela é uma região integrada”, disse.
Ao final de sua fala, o prefeito de Araraquara pediu para que a Artesp e o Governo do Estado repensem essa proposta e atenda aos anseios da população da nossa região. “Queremos que se respeite as características econômicas desta região. Uma praça de pedágio provocará um dano imenso para a nossa economia regional. Quero que se respeite a cultura da integração regional, da nossa mobilidade regional. Entendo a necessidade de investimentos em obras importantes, mas fica minha ponderação. Reestudem o projeto para que a gente possa respeitar a economia desta região e, principalmente, respeitar a cultura e a identidade da população regional”, concluiu.
Além de Edinho, outras autoridades regionais e moradores de Araraquara, Ibaté e São Carlos, os principais municípios prejudicados com a proposta de novo pedágio, também utilizaram a palavra para criticar a decisão e pedir a revisão dessa situação por parte da Artesp.
Também estiveram presentes na audiência pública o presidente da Câmara Municipal, Aluisio Boi (MDB), e os vereadores de Araraquara Paulo Landim (PT), Fabi Virgílio (PT), Emanoel Sponton (Progressistas), Guilherme Bianco (PCdoB), Hugo Adorno (Republicanos), João Clemente (PSDB), Lucas Grecco (PSL), Gerson da Farmácia (MDB), Marchese da Rádio (Patriota), Carlão do Joia (Patriota) e Lineu Carlos de Assis (Podemos); o vice-prefeito de São Carlos, Edson Ferraz (MDB); o presidente da Câmara Municipal de São Carlos, Roselei Françoso (MDB); o presidente da Câmara Municipal de Ibaté, Valentim Fargoni (Patriota); outras autoridades municipais e vereadores de cidades da região; o secretário de Cooperação dos Assuntos de Segurança Pública, coronel João Alberto Nogueira Júnior; o coordenador de Mobilidade Urbana e diretor-presidente da Controladoria do Transporte de Araraquara, Nilson Carneiro; e o comandante do 3º Batalhão de Polícia Militar Rodoviária, tenente-coronel Pedro Luís de Souza Lopes.

PROPOSTA

A apresentação técnica da renovação da concessão do Lote Noroeste foi feita pelo diretor-geral da Artesp, Milton Persoli. Além da audiência de Araraquara, outras foram realizadas em São Paulo, Barretos, São José do Rio Preto e Penápolis.
A previsão é de que nas próximas semanas sejam realizadas as consultas públicas, próxima etapa do processo que antecede o lançamento do edital, previsto para o primeiro semestre de 2022.
Segundo a Artesp, está inclusa na proposta a concessão da SP-425 (trechos A, de São José do Rio Preto a Guaíra, e B, de José Bonifácio a Parapuã), da SP-373 (trecho de Severínia a Colina), da SP-326 (trecho de Barretos a Colômbia) e da SP-322 (trecho de Bebedouro a Olímpia).
Também está prevista a renovação de concessões da SP-310 (trecho entre São Carlos e Mirassol), SP-351 (trecho entre Bebedouro e Catanduva), da SP-323 (trecho entre Taquaritinga e Pirangi), da SP-326 (trechos entre Bebedouro e Barretos e entre Bebedouro e Araraquara) e da SP-333 (trecho entre Sertãozinho e Borborema).
Do total de investimentos, de acordo com a Artesp, R$ 4,5 bilhões devem ser aplicados diretamente em ampliações e duplicações de vias, além de acessos, viadutos e intervenções, beneficiando a população de 49 municípios paulistas.
Em contrapartida, as estradas citadas e incluídas no Lote Noroeste, que atualmente possuem 10 praças de pedágio, passariam a ter 20 praças — uma das novas é a prevista para ser instalada entre Araraquara e Ibaté, no km 255 da SP-310.
A Artesp argumenta que haverá 5% de desconto na tarifa dos pedágios para usuários de TAG, além de tarifas menores para usuários frequentes da rodovia (desconto progressivo a cada passagem na praça de pedágio dentro do mês).
Araraquara já possui uma praça de pedágio na Rodovia Washington Luís, no caminho para Matão, no km 282 (a 27 km do local onde está sendo previsto o novo pedágio, entre Araraquara e Ibaté)

(Secretaria de Comunicação – Prefeitura de Araraquara)

Deixe uma resposta