O Brasil e a neutralidade nos conflitos internacionais

0
131

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves (*)

Ao comparar as escaramuças na faixa de Gaza ao Holocausto e Netanyahu a Hitler, o presidente Lula mexeu num imenso vespeiro e dificilmente dele sairá isento de dolorosas ferroadas. Expôs o Brasil à constrangedora situação de ter o seu embaixador em Israel admoestado no Museu do Holocausto, em evento televisionado para o mundo, onde os israelenses o informaram sobre a história daquela hecatombe que dizimou 6 milhões de Judeus. O diplomata, por questão de ofício, ouviu coisas que já sabia desde os tempos de estudante, que os israelenses tinham vontade de dizer ao presidente – que demonstrou desconhecer por ignorância ou conveniência política – e, por isso, foi declarado “persona non grata”, pelo governo de Jerusalém.

Essa não é a primeira saia justa que Lula faz os diplomatas enfrentarem. Já arrumou confusão ao emitir opinião sobre a guerra Rússia-Ucrânia, ao endossar a denúncia da África do Sul (à Corte Internacional de Justiça) de que Israel estaria praticando genocídio e em incontáveis vezes que defendeu o indefensável ditador venezuelano Nicolás Maduro e outros radicais esquerdistas seus amigos. Deve alguém que sobre ele tenha alguma ascendência (talvez dona Janja) convencê-lo a calar-se, independente do que pense sobre os temas explosivos colocados na ordem-do-dia, que não são de sua conta. .

Se um dia sonhou abiscoitar o Prêmio Nobel da Paz ou candidatar-se a secretário-geral ou dirigente da ONU (Organização das Nações Unidas), como especularam seus fiéis seguidores, os discursos pouco cuidadosos certamente já sepultaram qualquer possibilidade. O mundo não reconhece pacifista que apaga incêndio com gasolina e nem quem recorre à história para comparar acontecimentos primariamente diferentes. A única utilidade das falas lulistas que deram problemas é ter pregado o fim dos conflitos. Mas isso não produziu qualquer efeito, principalmente em comparação ao restante da obra.

Alguém precisa convencer o sr. Lula da Silva que ele já tem uma obra altamente importante e trabalhosa, que é governar o Brasil. Nosso País enfrenta sérios problemas que exigem pulso forte dos titulares dos Poderes Institucionais, até para evitar que eles se embolem e um usurpe prerrogativas e direitos dos outros. O presidente é mais útil em Brasília ou viajando pelo território nacional do que percorrendo o mundo e produzindo pérolas que podem nos atrapalhar internacionalmente.

Queremos Lula efetivamente à frente do governo e das decisões. Dando ao mundo a garantias de que esse é um país sustentável e promissor. Só assim conseguiremos atrair os investimentos para alavancar nosso desenvolvimento, criar os empregos que a população necessita e sustentar a produção do agronegócio e de manufaturados para exportação. Só a produção será capaz de sustentar o desenvolvimento e o bem-estar dos brasileiros. As contendas internacionais, por mais que chamem a atenção, não são de alçada do Brasil. Apesar de sermos um dos fundadores da ONU, a postura brasileira sempre foi pacificadora ou de neutralidade frente aos conflitos. Melhor que o atual e os futuros governantes não abandonem a tradição diplomática brasileira e deixe as grandes discussões para os países líderes do mundo, que além da força militar, têm o que oferecer de garantias e compensações aos que aceitarem sua mediação. Nós, brasileiros, se resolvermos os nossos problemas, já estaremos com a obrigação cumprida. Não temos o que investir na paz (ou na guerra) mundial…

(*) É dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.