13 de setembro – Dia Mundial da Sepse

0
335

O Dia Mundial da Sepse (DMS), celebrado anualmente no dia 13 de setembro, foi proposto pela Aliança Global para Sepse (Global Sepsis Alliance) em 2012 e, desde então, eventos são realizados com o objetivo de aumentar a conscientização sobre sepse em todas as partes do mundo.

Segundo a pediatra intensivista, Daniela Carla de Souza, membro do Departamento de Terapia Intensiva da Sociedade de Pediatria de São Paulo, a sepse ocorre em decorrência de uma inflamação exagerada do organismo, em resposta a uma infecção, geralmente causada por uma bactéria. “Esta resposta inflamatória pode levar a uma série de complicações e causar danos ao nosso próprio corpo, afetando diversos órgãos e criando uma disfunção generalizada. É uma emergência médica que precisa de tratamento imediato, uma vez que pode causar danos aos rins, pulmões, cérebro e coração e até a morte”, explica a médica.

Ela comenta que a sepse foi reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2017 como uma prioridade de saúde pública global devido ao elevado impacto da doença (elevadas incidência, mortalidade, morbidade e impacto financeiro também elevado).

Em crianças, estima-se que:

– 25% dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica (UTIP) são ocupados por crianças com sepse (letalidade 20%);

– 42.374 casos de sepse em crianças/ano;

– 8.305 crianças morrem no Brasil anualmente em decorrência da sepse;

– fatores associados a elevada mortalidade: status vacinal desconhecido ou atrasado, infecções associadas à assistência à saúde, atraso no diagnóstico e tratamento… são fatores passíveis de prevenção e intervenção.

Qual o problema da sepse (barreiras).

– sepse é uma emergência (tempo é vida, atraso no diagnóstico e início do tratamento leva a aumento de mortalidade… igual a Acidente Vascular Cerebral e infarto);

– sepse é uma doença desconhecida (não é popular como outras doenças, como infarto e ACV);

– falta de conhecimento sobre sepse;

– falta de infraestrutura e recursos;

– imprensa não fala em sepse, usa infecção generalizada, disfunção de múltiplos órgãos.

E como a sepse pode ser prevenida?

“Se a criança ficar doente, com febre e com alteração do seu comportamento habitual, procure atendimento médico”, orienta Daniela, ressaltando que se for detectada uma infecção, deve ser prescrito antibiótico, que será administrado exatamente como indicado – dose, intervalos e tempo total de tratamento. Se a criança não apresentar melhora ou piorar dos sintomas, deverá ser reavaliada. “E devemos fazer o possível para evitar infecções: tomar todas as vacinas recomendadas, lavar as mãos e cuidar de ferimentos, como cortes e arranhões.”

Em 2021, a cidade de São Paulo, por meio de um mandato, instituiu o PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE SEPSE, no qual todos os Serviços de Saúde devem adotar um protocolo de sepse. “Esta ação visa incentivar e promover a participação governamental na luta contra a sepse e defender que o investimento na saúde e na educação é uma medida de solução custo-efetiva. Mas ainda precisamos fazer muito mais”, conclui a pediatra.

(Vérité Comunicação – Assessoria de Imprensa SPSP) 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.