VeraCidade

Vera Botta *

Qual política cultural queremos?

A política cultural não está à venda. É preciso construí-la.

Havia um tempo em que lamentava-se a falta de um lugar institucional para a cultura. Em outros momentos, as críticas dirigiam-se a um paralelismo cultural que criava fronteiras quase intransponíveis entre o pensar e o fazer cultura. A Fundart, no início da década de 90, tentou promover discussões com grupos de diferentes linguagens artísticas. Esbarrava no plano institucional, no qual a cultura, sem autonomia, inserida na Secretaria Municipal da Cultura, Esporte e Lazer parecia ser propriedade de alguns. O que ficou de experiências passadas? Para muitos, a frustração e a vontade de tornar viva a construção democrática de cultura como espaço de conscientização social. Ficou o glamour de alguns espetáculos.

Entretanto, quando as cortinas se fechavam e as luzes se apagavam, poucos se arriscavam a remexer nos cenários, no fazer, no tentar, construir e reconstruir.

E depois dos espetáculos

A maioria se afastava, se recolhia aos camarins, reaparecendo em outros momentos de explosão de luzes e cores. É pensando no trabalho de construção, muitas vezes invisível, na perspectiva de tecer a cultura como espaço de democratização que a presente administração nos lançou um desafio: o de derrubar preconceitos e abrir espaços tidos como intocáveis e sagrados. Uma política cultural não se constrói só pela formulação teórica de planos, de propostas. Exige vontade política. É preciso pôr em acão, experimentar, no bom sentido, mudanças. É o que a Secretaria Municipal de Cultura e a Fundart estão fazendo, nas frentes abertas com as oficinas culturais, nos programas dirigidos à terceira idade – FelizIdade – nas ruas de Cultura e de Lazer nos bairros, na valorização do ôContando Estóriasõ, na absorção de muitos e muitos jovens da periferia. Do centros para os bairros. Da periferia ao centro. Crianças e jovens têm conhecido o Teatro Municipal não em visitas efêmeras, mas participando efetivamente dos espetáculos. Do sapateado, da dança, da montagem, da vivência da arte.

Procura-se valorizar a história, memória de nossa cidade, sem ficar no saudosismo dos tempos de antes. O sucesso inesquecível do Teca, os talentos araraquarenses que levaram suas vozes para outros cantos não serão, com certeza, apagados de nossa memória. O arquivo Rodolpho Tellarolli tem que honrar nosso mestre, vigilante fervoroso das coisas de nossa terra…Pode ser, ainda mais aberto , às escolas de nossa Morada.

É preciso pensar na cultura como instrumento vivo, capaz de transformar comportamentos, de alimentar sonhos de uma juventude desesperançada, apresentar alternativas à violência que cresce aqui e acolá. Por tudo isso, é preciso ousar e fazer escolhas. Com certeza, gostaríamos de ter fóruns permanentes com as diferentes linguagens artísticas da cidade. Reconhecemos que existe em Araraquara, uma cultura viva, inquieta, ansiosa por participar, disposta a levar para as ruas, para a população, a perspectiva de fazer e consumir cultura. Sabemos que há igualmente legítima preocupação com a falta de continuidade encontrada pelos artistas no mercado de trabalho. Reconhecemos que não é fácil afinar as diferentes vozes em seus tons dissonantes, nem é possível agradar a gregos e a troianos.

A Cultura não é propriedade de alguns

Temos, como princípio, que não há donos da cultura, nem queremos manipulá-la por interesse pessoais. Pretendemos, sim, estimular discussões sobre políticas públicas para a cultura e trabalhar para que nossa agenda tenha, como prioridade, a construção da cidadania cultural, valorizando a cultura como direito à criação, à participação, ao resgate de nossas raízes, à ampliação de redes de solidariedade.

Há muito por fazer

Talvez tenhamos feito um caminho ao avesso. Falo como conselheira da Fundart. Em vez de buscar em primeiro lugar definições prévias dos lugares institucionais, valorizamos a prática de novas experiências na rota da democratização. Não conseguimos solucionar a Lei de Incentivo à Cultura, pendência que vem de longe. Temos a intenção de regulamentar Fundos Municipais, que possam suprir a necessidade de incentivos. Queremos ter um Conselho Municipal da Cultura com representatividade ampla, sem fomentar qualquer tipo de paralelismo. Os ritmos dessa criação não podem ser ditados pela urgência de mostrar eficiência, mas devem refletir a maturidade do diálogo com pessoas que valorizem a cultura viva, da participação, sem nos prender a atos egoístas de fazer para aparecer. Nossa escolha de política cultural implica pois, em dizer sim à mudança, à democratização, não aos privilégios e críticas de bastidores. Nossos instrumentos de ação que têm intencionalmente sido canalizados na contramão de uma visão elitizada de cultura podem e devem ser avaliados. Por nós e por todos que pensam a cultura como instrumento de transformação. Sob uma única condição: a exclusão cultural está definitivamente for de nossa agenda.

O debate está aberto. Por uma cultura cidadã! Com a palavra, os artistas, famosos e anônimos!! Os poderes! Os cidadãos de nossa terra…

A Coluna fica por aqui. Agradeço a todos os araraquarenses que me têm enviado sugestões. Para cuidar bem da cidade, é preciso estar de alma lavada e coração aberto. Por isso, Veracidade fará uma pequena pausa… Um abraço carinhoso a todos. Boas férias! Até a próxima!

(*) É Coordenadora do Mestrado da Uniara e colaboradora do “JA”.

Compartilhe :

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Edição em homenagem a Geraldo Polezze

Boletim Diário número 82 – de 25 de junho de 2024

Educação SP investe em tutoria contra defasagem no aprendizado de português e matemática

Santa Casa divulga balanço referente ao Programa Saúde Cidadã

Confira as feiras de artesãos e empreendedores do final de semana (28, 29 e 30 de junho)

CATEGORIAS