Primeiras aeronaves de produção em série Gripen realizam voo no Brasil

0
197
Foto: Força Aérea Brasileira

Os dois aviões multimissão de produção em série, que chegaram ao Brasil na sexta-feira (01/04), decolaram do Aeroporto de Navegantes (SC), nesta quarta-feira (06/04), rumo ao Centro de Ensaios em Voo, localizado em Gavião Peixoto (SP)

Um percurso de aproximadamente 50 minutos marcou o primeiro voo das duas aeronaves F-39 Gripen na Força Aérea Brasileira (FAB). Os dois aviões multimissão de produção em série, que chegaram ao Brasil na sexta-feira (01/04), decolaram do Aeroporto de Navegantes (SC), nesta quarta-feira (06/04), rumo ao Centro de Ensaios em Voo, localizado em Gavião Peixoto (SP), onde pilotos de prova da FAB, da Embraer e da Saab executarão testes até que a aeronave receba o certificado militar, que é uma espécie de licença de operação inicial do avião no Brasil.

Para garantir a segurança do voo, as aeronaves passaram, ao longo de três dias, por uma série de procedimentos, como a instalação do assento ejetável e do kit de sobrevivência, além do abastecimento e do preparo para acionamento em solo. Para a fase de decolagem, a operação também contou com a atuação do Terceiro Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação (3°/8º GAV) – Esquadrão Puma e do Quinto Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação (5°/8° GAV) – Esquadrão Pantera, por meio das aeronaves H-36 Caracal e H-60L Black Hawk, respectivamente, que foram escaladas para prestar apoio à operação.

As aeronaves foram conduzidas pelos pilotos Tenente-Coronel Aviador Cristiano de Oliveira Peres e Major Aviador Abdon de Rezende Vasconcelos, que desde 2020 participaram de treinamentos, inclusive na Suécia, para estarem aptos para o voo histórico. O Tenente-Coronel Cristiano, que foi o comandante da missão, explicou que, apesar de parecer um voo relativamente simples, foi realizado um detalhado planejamento da rota e do combustível, bem como a seleção de todas as alternativas para o caso de uma emergência. Após isso, essa rota foi inserida no simulador de voo e os pilotos da missão puderam voá-la.

O Oficial ainda destacou a honra que é estar nesse projeto. “Para mim, como piloto de caça, é uma satisfação muito grande poder liderar a primeira formação de gripens no Brasil. Eu diria que vai voar na minha ala não apenas o Major Abdon, mas todos aqueles que trabalham, desde 2014, para a concepção desse projeto [Clique aqui para baixar a imagem original] grandioso para a Força Aérea Brasileira”, disse.

O Gerente do Projeto F-X2 na Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC), Coronel Claucio Oliveira Marques, pontuou que a missão foi um desafio, mas um verdadeiro sucesso. “Foram muitas coordenações para que tudo ocorresse bem, não só da FAB, mas também de outros órgãos, como a Prefeitura Municipal de Navegantes, Polícia Militar, Polícia Federal, Receita Federal, Bombeiros Voluntários, CCR Aeroportos, Bombeiros de Aeródromo, Guarda Municipal, Portonave, e a própria Saab, dentre outros. Foram muitas pessoas e muitas Organizações envolvidas para que isso pudesse acontecer. Aproveitamos a oportunidade para externar os agradecimentos a todos que participaram e contribuíram para o sucesso da missão”, ressaltou.

Por fim, o Presidente da COPAC, Brigadeiro do Ar Antonio Luiz Godoy Soares Mioni Rodrigues, também agradeceu às 154 pessoas envolvidas em algum momento da operação. “Todos trabalharam arduamente, tanto nesse período em que estivemos aqui em Navegantes, como também no planejamento da missão, desde o desembarque das aeronaves no Porto até o momento da decolagem em Navegantes e o pouso em Gavião Peixoto. Tudo ocorreu exatamente como planejado graças à dedicação de todos”, concluiu o Oficial-General.

Fonte: Agência Força Aérea

Edição: Agência Força Aérea, por Tenente Marayane – Revisão: Major Oliveira Lima

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.