Meu amigo é o meu maior inimigo?

Marilene Volpatti

Diante de uma pessoa-maravilha: bem sucedida, amada e ainda por cima bonita, se não tomar cuidado com a inveja, corre-se o risco de transformar os dias num verdadeiro inferno.

Grande parte das pessoas possui um homem ou mulher-maravilha em sua vida.

Gerson tem posição financeira melhor que seu amigo Luís.

Este, veste-se como se só usasse roupas de grifes famosas, e Gerson que só se veste de grife, passa a impressão de usar roupas mais populares. Gerson faz musculação, corre, faz natação e luta judô para conseguir o físico bonito. Luís atribui seu belo físico à natureza. Ambos se conheceram em época de colégio e não se separaram mais. Formados, ficaram superamigos. Gostavam dos mesmos passeios, curtiam as mesmas músicas, tinham o mesmo senso de humor… e estavam atrás de emprego como milhares de hoje em dia.

Através de anúncio de jornal foram numa agência de publicidade. Gerson vestiu-se como Luís ensinou, e Luís agradeceu por ter enviado seu curriculum à agência. Ambos disputavam a vaga. Resultado: Luís conseguiu a vaga. Gerson teve que se contentar com outro onde aparecia menos e lidava com pessoas menos interessantes. Enquanto Luís relatava os desafios para bolar uma publicidade, Gerson se aborrecia com o trabalho enfadonho da empresa de locação de imóveis. Foi aí que Gerson começou a sentir “inveja”.

Armadilha

Se você for um Gerson da vida que sente atração por pessoas como Luís, não fique se remoendo e nem acusando o acaso. A maioria das pessoas gosta de se rodear de gente bonita, brilhante e que sabe ser popular. O maior problema surge quando nosso super-herói voar mais alto: salário maior e companhias maravilhosas. Aí a coisa pega! Ficamos ameaçados e com medo de ser deixados para trás. O sucesso do amigo se transforma em dor-de-cotovelo. Esse fenômeno não é exclusivo dos homens e pega mais pesado entre as mulheres que sinalisam a vida com uma série de marcos: carreira, casamento, filhos, etc.

Se se deixar vencer pelo desânimo, a vida vai ficar amarrada e sem perspectiva. É gostoso ficar em casa numa tarde/noite fria com uma caneca de chocolate vendo um belo filme. Enquanto isso a carreira do super-amigo deslancha com vida social intensa e oportunidades maravilhosas que só o trabalho pode oferecer. O lado negativo do ciúme acaba vindo à tona.

Foi o que aconteceu com Gerson: incapaz de partilhar das conquistas de Luís. A inveja era tanta que algumas colegas, sabendo de sua grande amizade com Luís, questionavam se teriam alguma oportunidade de namorá-lo. Evidentemente que Gerson guardava essas conversas em um cofre a sete chaves. Se os dois saiam juntos procurava só os defeitos no amigo. Elogios jamais. E para completar sua infelicidade, Luís não se dava conta do comportamento esquisito do amigo. Ele queria realmente que Gerson participasse de sua felicidade.

Corte o mal

Na maioria das vezes a inveja é alimentada pela baixa auto-estima. Se cobiça coisas que não lhe atraem (por exemplo, detesta crianças, mas fica de olho gordo no emprego fenomenal que seu amigo pediatra conseguiu), tudo indica que não está preocupado com o sucesso alheio: o que o deixa desnorteado é seu próprio fracasso. Nesse caso, a inveja é uma desculpa para disfarçar o que falta na sua vida. É preciso saber que numa competição o adversário mais perigoso somos nós mesmos.

Posição

A virada da situação é transformar essa emoção desgastante em admiração. A inveja pode não ser destrutiva e ser trabalhada a nosso favor, se for usada para seguir os passos que levam ao sucesso. Ela é apenas um sentimento negativo e os sentimentos não têm domínio sobre o bem e o mal. O importante é assumir o controle da situação, o que não é fácil e requer muito autodisciplina.

Em vez de ficar remoendo que o amigo está insuportável porque conseguiu um estatus maior, pense: “me orgulho de tê-lo como amigo e quero compartilhar de seus triunfos”. Repita essa frase (mesmo estando com muita raiva, rangendo os dentes) até se convencer.

É menos doloroso e mais prático acompanhar de perto o alvo da inveja pois assim aprende-se com ele. Analise tudo: gestos, jeito de falar, de rir. Peça para ser apresentado a pessoas importantes que possam influir positivamente na sua ascensão.

Positivo

Passe a observar pessoas confiantes, verá que é uma ótima maneira de descobrir o que se quer da vida. Reconheça as qualidades dos outros, evitando que a inveja ofusque o raciocínio. Estar sempre de olho no conceito que as pessoas bem-sucedidas têm de si mesmas. Provavelmente, não usam de sua capacidade crítica para destacar seus pontos fracos e não se encolhem diante de um elogio. Pelo contrário, o aceitam com satisfação verdadeira.

Gerson voltou a se encontrar com Luís quando sua carreira estava decolando. Sua insegurança havia desaparecido e foi fácil se comunicar com o antigo amigo. Luís por sua vez, contou que houve uma época que teve a sensação de estar vivendo à sombra de Gerson. Admirava seu senso de humor, que o fazia se calar sempre que começava a relatar algum caso. Gerson nunca imaginou que tivesse sido alvo de inveja. Continuaram a manter contato, mesmo Luís estando morando em outro país. Trocam idéias e conselhos, atingiram um estágio de imitação saudável. É a única competição possível entre verdadeiros amigos.

Serviço

Consultoria: Drª Tereza P. Mendes – Psicoterapeuta Corporal – Fone:- 236-9225.

Compartilhe :

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Comad realiza II Semana Municipal de Políticas sobre Drogas nos dias 24, 26 e 27 de junho

Araraquarense se voluntaria em Canoas, RS

Dia do Orgulho Autista: Grupo promove pesquisas e informação sobre Autismo

Câmara aprova regras para funcionamento de painéis luminosos de propaganda

Araraquara tem a menor taxa de homicídios do Brasil entre as cidades com mais de 200 mil habitantes

CATEGORIAS