Choro na Praça: sábado (23) cedo tem música na Praça Pedro de Toledo

0
77

Projeto mensal da Secretaria Municipal de Cultura e Fundart apresenta Pedro Luiz Freitas e convidados

O projeto Choro na Praça tem início neste sábado, 23 de março, gratuitamente na Praça Pedro de Toledo, em uma realização da Secretaria Municipal de Cultura e Fundart, por meio da Coordenadoria de Acervos e Patrimônio Histórico. Pedro Luiz Freitas e convidados levam o choro para a praça das 8h30 às 10 horas, durante a Feira de Orgânicos que acontece no local.

Vale lembrar que, no ano passado, a Secretaria da Cultura e a Fundart iniciaram o projeto “Choro no Carmo” na Praça do Carmo. Agora, este antigo projeto ganha desdobramento e, com a proposta de circular por outros espaços, torna-se “Choro na Praça”.

A apresentação musical conta com o bandolinista Pedro Luiz Freitas acompanhado por Oliver Kofi, Eloi Brito, Rodrigo Pereira, Nemias Santana, Guga Pires, Henrique Brandão, Junior Barros e Fernando Galeazi. O grupo apresenta releituras de choros e também trabalhos autorais.

Pedro Luiz Freitas acredita que, nos dias de hoje, mesmo distante da grande mídia, o Choro resiste e persiste, pois surgem novas gerações de instrumentistas e pesquisadores, contribuindo com a manutenção e renovação dessa expressiva manifestação cultural que por meio de projetos culturais, festivais e eventos relacionados ao gênero se mantém vivo e presente.

“Em Araraquara não é diferente: aqui residem grandes instrumentistas que influenciaram e influenciam até os dias de hoje gerações de novos músicos que passaram a conhecer e levar adiante o gênero do Choro. Violonistas, cavaquinistas, bandolinistas e percussionistas naturais daqui formaram grupos e se apresentaram com destaque por diversos palcos espalhados não só pelo país, mas também pelo mundo, representando da melhor forma possível nossa cultura e também levando o nome da nossa cidade”, aponta Pedro Luiz.

História – O músico conta que Araraquara possui forte tradição na formação de importantes instrumentistas que atuam no cenário musical do interior paulista e até em âmbito nacional. “Esta história tem início em 1928, quando foi fundado o Conservatório Dramático e Musical de Araraquara, que teve como um de seus fundadores o Maestro José Maria Tescari, com aulas de violino, piano, teoria musical e harmonia. Depois, no ano de 1943, surge a Orquestra Sinfônica de Araraquara-SP e em 1947 o Quarteto de Cordas.”

Com o encerramento das atividades do conservatório, diversos músicos buscaram aprimorar seus conhecimentos em universidades e conservatórios localizados em cidades próximas ou em outros estados, trazendo para a cidade novas contribuições e perspectivas de ampliar o acesso aos mais variados gêneros musicais existentes em nossa cultura.

Entre esses diversos gêneros musicais, pode se destacar o “Chorinho” ou “Choro”, que teve seu início como uma maneira de tocar importantes gêneros musicais aqui aclimatados por volta do século XIX, como a polca, a valsa e o tango.

Pedro Luiz Freitas iniciou seus estudos aos 14 anos, aprendendo cavaquinho e bandolim. Aos 20 anos passou a estudar no Conservatório Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos, em Tatuí-SP, onde estudou por três anos. É formado em Licenciatura em Música pela Universidade Metropolitana de Santos (UNIMES) e, em 2022, iniciou seu mestrado em bandolim na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

A programação do Choro na Praça é gratuita e as atividades acontecem na Praça Pedro de Toledo, localizada na Av. Portugal, entre as ruas Carlos Gomes e Itália, (ruas 6 e 7), no Centro de Araraquara.

SERVIÇO:

Abertura do projeto “Choro na Praça” com Pedro Luiz Freitas e convidados

Local: Praça Pedro de Toledo (Av. Portugal, entre as ruas Carlos Gomes e Itália / ruas 6 e 7 – Centro)

Data: sábado (23 de março)

Horário: das 8h30 às 10 horas

Grátis

SECRETARIA MUNICIPAL DE COMUNICAÇÃO
PREFEITURA DE ARARAQUARA

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.