“Burnout do cérebro”: mulheres são mais impactadas pela enxaqueca crônica, conheça opções de tratamento

0
99
Foto Ilustrativa: Imagem de wayhomestudio no Freepik

Além de terem dores mais fortes, hormônios podem ser gatilhos para a maior ocorrência de crises, mas não são a causa da doença. Médica afirma a importância do manejo da enxaqueca para além da dor e a importância do tratamento adequado.

Embora seja frequentemente associada a dores de cabeça, a enxaqueca crônica é mais do que isso: além de ser uma condição crônica, a doença apresenta sintomas como sensibilidade a cheiros, náuseas[1], vômitos, tontura e irritabilidade frequentes[2], sendo a segunda condição mais incapacitante[3] do mundo e uma das maiores causas de absenteísmo no trabalho[4],. Cerca de 15% da população brasileira é acometida por ela, mas a incidência em mulheres é ainda maior – só na região sudeste, 22%[5] do público feminino sofre com crises.

 

“Geneticamente, homens e mulheres têm a mesma tendência de terem enxaqueca, contudo, as mulheres costumam ter dores mais fortes”, comenta a médica Thaís Vila, neurologista e diretora clínica Headache Center Brasil. “E a condição é debilitante, ou seja, impacta diretamente todos os aspectos da vida de uma mulher – o trabalho, as relações, os estudos e hobbies”, comenta a especialista. “A enxaqueca é a dor severa, muito além da “dor de cabeça” como conhecemos, que é banalizada e negligenciada. Nenhuma dor pode ser considerada normal e é sempre um importante sinal do corpo de que há algo errado”, acrescenta. “A enxaqueca é um sinal de que existe um sofrimento excessivo no cérebro e costuma vir acompanhada de náuseas, fotofobia, fonofobia, déficits cognitivos e alterações do humor – o que pode ser comparado a um burnout do cérebro.”

Causas

Puberdade, menstruação, gravidez, pós-parto e perimenopausa são fases em que há maior flutuação das condições hormonais, o que pode aumentar as crises, mas não podem ser consideradas razões para a maior incidência de enxaqueca no público feminino: “O ciclo menstrual, assim como a menopausa, são normais para a maioria das mulheres e não devem ser encarados como um problema. Essas fases podem ser gatilhos em mulheres com enxaqueca, mas nunca a causa das crises.”

“Além do impacto na rotina, a enxaqueca também acaba afetando a saúde mental do paciente, já que traz consigo a incapacidade de realizar atividades comuns do dia a dia”, adiciona a especialista. “Por conta disso, o tratamento precisa ter uma abordagem holística, ou seja, envolvendo não apenas a gestão da dor aguda, mas também a prevenção da recorrência dos episódios.”

Diagnóstico e tratamento

“As pessoas acham que a enxaqueca é uma dor de cabeça forte, mas não é bem assim – ela é uma doença neurológica, crônica e debilitante. Essa forma de pensar nos leva, muitas vezes, a mascarar a condição, sem de fato procurar por um tratamento”, comenta a especialista. “É importante fazer um diagnóstico 360º da doença, checando o trato gastrointestinal, o sistema endócrino, o sistema imunológico, dentre outros, já que a condição causa uma disfunção generalizada e, se não for tratada, ela pode ser porta de entrada para doenças de maior complexidade.”, acrescenta a médica.

O manejo da enxaqueca e controle dos seus sintomas envolve o uso de analgésicos e, em alguns casos, de terapias injetáveis. “Voltadas a diminuir a recorrência e gravidade das crises, as opções injetáveis buscam relaxar a musculatura, sendo administradas em pontos nas regiões frontal, occipital (posterior da cabeça), temporal e posterior do pescoço, impedindo que os neurotransmissores levem os sinais de dor até o músculo, reduzindo a percepção pelo sistema central.”, comenta Thais.

A especialista reforça, ainda, que a automedicação não é aconselhada. “Além de frequentemente mascarar as causas da dor, ela pode ser um gatilho para o aumento da ocorrência de crises”.

Por fim, a médica explica que a parceria entre a paciente e a equipe de saúde é fundamental para o sucesso do tratamento, com uma ênfase na personalização do plano de cuidados para atender às necessidades específicas de cada mulher.

Compromisso da AbbVie com o tratamento da migrânea/enxaqueca crônica

Impactando milhares de pessoas em todo o mundo, a enxaqueca é uma doença neurológica com crises recorrentes que causam dor e outros sintomas incapacitantes. Contudo, ela pode ser tratada. Na AbbVie, estamos comprometidos com a inovação no tratamento de condições neurológicas como a enxaqueca, transformando o cenário da saúde mundialmente, lado a lado com a classe médica. Voltados ao avanço científico, impulsionados pela educação médica continuada, trabalhamos para ajudar que cada vez mais as barreiras sejam vencidas e que o acesso a tratamentos mais eficazes seja aumentado.

Sobre AbbVie em Neurociência

Na AbbVie, nosso compromisso com a preservação da personalidade para aqueles que vivem com distúrbios neurológicos e psiquiátricos é inabalável. Cada desafio nesta área nos impulsiona a descobrir e entregar soluções para pacientes, cuidadores, médicos e profissionais de saúde.

O portfólio de Neurociências da AbbVie consiste em terapias inovadoras aprovadas e um robusto pipeline em fase de pesquisa com foco em distúrbios neurológicos e psiquiátricos, incluindo doença de Alzheimer, transtorno bipolar e depressão, distonia cervical, transtorno depressivo maior, enxaqueca crônica, doença de Parkinson, lesões na medula espinhal, espasticidade pós-AVC, esquizofrenia, acidente vascular cerebral, entre outros.

Temos um forte investimento em pesquisa em neurociência para nos ajudar a entender melhor a fisiopatologia dos distúrbios neurológicos e psiquiátricos, identificando alvos para possíveis terapias modificadoras de doenças destinadas a fazer a diferença na vida das pessoas. Para mais informações, visite Link.

Sobre a AbbVie

A missão da AbbVie é descobrir e fornecer medicamentos inovadores que solucionem as questões mais sérias de saúde de hoje e enfrentem os desafios médicos de amanhã. A companhia se empenha em causar um impacto notável na vida das pessoas em áreas terapêuticas chave: Imunologia, Oncologia, Neurociência, Oftalmologia, Virologia e Gastrenterologia, além dos serviços e produtos da Allergan Aesthetics, uma empresa Abbvie.

No Brasil, a AbbVie começou a operar no início de 2014. Suas unidades de negócios locais incluem Imunologia, Oncologia, Oftalmologia e Neurociência, além dos serviços e produtos da Allergan Aesthetics. A AbbVie conta com 34 projetos ativos de Pesquisa e Desenvolvimento, envolvendo mais de 200 centros médicos de todas as regiões do país e cerca de 1.000 cientistas brasileiros. Para mais informações, acesse www܂abbvie܂com܂br e siga @AbbVieBrasil no Instagram.


[1] Link Acesso em março 2024.

[2] Link. Acesso em março 2024.

[3] Link Acesso em março 2024.

[4] Baigi, K. and Stewart, WF. Headache and migraine: a leading cause of absenteeism, Handb Clin Neurol. 2015:131:447-63 Acesso em março 2024.

[5] Link. Acesso em março 2024 Acesso em março 2024.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.