Astronomia está ao nosso alcance

Durante todo este mês, quem olhar para a linha do horizonte, logo após o pôr-do-sol, vai enxergar a luz fixa de cinco planetas alinhados: Mercúrio, Vênus, Marte, Saturno e Júpiter.

O fenômeno vem sendo tratado apenas como uma coincidência pelos astrônomos enquanto os esotéricos relacionam eventos que aconteceram durante o alinhamento anterior, ocorrido em fevereiro de 1940, e as tendências para este ano.

Uma das avaliações, publicada em matéria publicada na revista Isto É, foi feita pela astróloga Cláudia Lisboa. Ela afirma existir uma tendência ao caos em 2002. “Aparecerá o que estava debaixo do tapete, a intolerância, a intransigência religiosa, ideológica e dogmática”.

O astrônomo amador e cirurgião dentista Leopoldo Andrião afirma que tudo não passa de especulação. “São avaliações sem base científica, mas há sempre quem acredita, em decorrência do teor místico”, frisa.

Leopoldo explica que a conjunção dos planetas acaba não atraindo a atenção das pessoas que não têm interesse pela astronomia. “Para quem é apaixonado por esta ciência é um evento interessante, que nos permite capturar e apreciar a aproximação e o afastamento desses objetos celestiais. O fenômeno é raro, interessante e bonito de observar, mas há sempre coisas interessantes acontecendo no céu, e as pessoas sequer ficam sabendo”, polemiza o astrônomo.

Segundo ele, Mércurio já está descendo no horizonte e Marte e Vênus estiveram muitos próximos na sexta-feira (10). “Aqui, vemos tudo isso como uma estrela, um ponto de luz. A diferença é que os planetas se movimentam dia-a-dia nos proporcionando um espetáculo a cada dia”.

Passado o fenômeno, os astrônomos terão o céu a observar enquanto os astrólogos…

Compartilhe :

No data was found
ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Edição 2024 do programa “Escolinhas de Esportes” supera marca de 7 mil alunos

Boletim Diário número 74 – de 13 de junho de 2024

Em 17 meses, Governo de SP investiu R$ 90 mil por dia em obras na rede pública de ensino na região Central

Gordura no fígado afeta 3 a cada 10 pessoas no mundo  

A crescente judicialização da saúde e o rol taxativo da ANS

CATEGORIAS