Ansiedade na adolescência: 3 exercícios para aprender a lidar com o transtorno

0
105
Foto: Divulgação / Pixabay

Especialista em saúde mental infantojuvenil, Juliana Russano ensina jovens a desenvolverem inteligência emocional

“E se não der certo?”, “e se eu reprovar?”, “a culpa é toda minha”, “o que vai acontecer?”… pensamentos disfuncionais como estes prejudicam a saúde mental na adolescência, período recheado de mudanças e incertezas. Abalos na autoestima, crises de identidade e medos são responsáveis por levar os jovens a quadros de ansiedade e depressão.

Também chamados de “pensamentos automáticos”, eles costumam aparecer sem esforço ao longo da rotina. Por isso, a psicóloga especialista em diagnóstico infantil, Juliana Russano, reforça a importância de combatê-los constantemente. “Sempre que algo te deixar para baixo ou com raiva, o melhor exercício é avaliar a própria interpretação da situação e pensar em outras formas de agir ou sentir sobre aquilo”, complementa.

Autora dos livros Como assim? e Nem pense nisso! – HQs idealizadas para desenvolver inteligência emocional nos jovens –, a psicoterapeuta afirma que cuidar do bem-estar mental desde cedo pode garantir uma adolescência menos conturbada e uma vida adulta com mais autoconfiança.

Conheça três exercícios indicados pela especialista para auxiliar os jovens a driblarem os devaneios e reduzirem transtornos mentais como a ansiedade.

  1. Identifique os pensamentos distorcidos: faça uma lista de quais pensamentos mais causam sentimentos desagradáveis em você, como “não sou um bom filho”, “vou reprovar”, “e se acontecer algo de ruim?”. Dê uma nota a cada um deles e reorganize-os em uma espécie de ranking, começando pelo mais destrutivo. Reserve um grande espaço no caderno para cada tópico e escreva em qual situação você sentiu ou sente isso. Não tenha medo de relatar qual atitude tomou naquele momento.
  2. Imagine outras maneiras de encarar situações difíceis: busque formas mais positivas de encarar a situação que o aflige. Por exemplo, ao invés de pensar que vai tirar zero numa prova, afirme que, apesar de o conteúdo ser difícil, se dedicará mais nos estudos para fazer uma boa avaliação. Pensamentos assim ajudarão na autoconfiança e na diminuição da ansiedade.
  3. Treine os pensamentos mais positivos: tenha o costume de tirar um tempo do seu dia (ou da semana) para avaliar o que se passa pela sua mente. Escreva quais pensamentos acha que são prejudiciais e, com base neles, os que podem ser mais proveitosos e positivos.

Os livros Como assim? e Nem Pense Nisso! da psicóloga Juliana Russano podem ser encontrados na Amazon, nas versões impressa e e-book. Basta acessar a página da autora na plataforma.

(Maria Clara Menezes – LC Agência de Comunicação)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.