Dia Mundial da Luta Contra a Aids: Doença também pode sofrer influência da genética

0
263
Foto Ilustrativa (PixaBay)

Estudos já indicam que existem genes que podem gerar resistência ao HIV, destaca o Pós PhD em neurociências e especialista em genômica, Dr. Fabiano de Abreu Agrela

O mês de dezembro é um período destinado ao combate à Aids, conhecido como “Dezembro vermelho”, no seu dia 1º é celebrado o Dia Mundial da Luta Contra a Aids como forma de estimular a conscientização sobre a doença, combate a estigmas e disseminação de tratamentos e prevenções.

De acordo com o Boletim epidemiológico de HIV/Aids, em 2021, o Brasil registrou por meio do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), 40,8 mil casos de HIV e 35,2 mil casos de Aids, reforçando a importância de se debater o tema.

Genética e HIV

De acordo com o Pós PhD em neurociências e especialista em genômica membro da Royal Society of Biology no Reino Unido, Dr. Fabiano de Abreu Agrela, estudos recentes já indicam que a genética também possui grande influência na resistência ao HIV.

O HIV age afetando o sistema imunológico do indivíduo, facilitando a entrada de outras doenças no organismo. Um estudo já identificou uma forte relação entre a variante rs333 do gene CCR5 e uma maior resistência à infecção pelo HIV fazendo com que ela dificulte a entrada do vírus do HIV nos glóbulos brancos“.

Um pequeno detalhe, mas muito importante, sobre esses dados é que ele está mais presente em pessoas caucasianas e em menor proporção em pessoas negras e japonesas, podendo indicar uma menor resistência dessa população ao vírus do HIV“.

Por isso, com pesquisas mais aprofundadas e com a realização de testes genéticos é possível identificar com maior precisão uma predisposição para infecções e, assim, direcionar e intensificar cuidados preventivos e testagens“, destaca Dr. Fabiano.

Principais informações sobre a Aids

A AIDS – Síndrome da Imunodeficiência Adquirida –  é a fase avançada da infecção pelo HIV – o vírus que causa a AIDS atacando o sistema imunológico. A infecção pode ser prevenida com o uso de preservativos, seringas limpas e testagem regular. As principais formas de transmissão do vírus são relações sexuais desprotegidas, compartilhamento de agulhas e de mãe para filho durante gravidez, parto ou amamentação.

Atualmente, a doença não tem cura, mas métodos como o PEP (Profilaxia Pós-Exposição), onde o paciente é tratado de forma imediata após exposição ao vírus e PREP (Profilaxia Pré-Exposição), onde o uso é feito de forma preventivo do antirretroviral por pessoas sem o vírus, podem ajudar a reforçar a prevenção e infecção do vírus.

Sobre Dr. Fabiano de Abreu Agrela

Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues MRSB é Pós PhD em Neurociências eleito membro da Sigma Xi, membro da Society for Neuroscience nos Estados Unidos , membro da Royal Society of Biology no Reino Unido e da APA – American Philosophical Association também nos Estados Unidos. Mestre em Psicologia, Licenciado em Biologia e História; também Tecnólogo em Antropologia e filosofia com várias formações nacionais e internacionais em Neurociências e Neuropsicologia. Membro das sociedades de alto QI Mensa, Intertel, ISPE High IQ Society, Triple Nine Society, ISI-Society, Numerical e  HELLIQ Society High IQ. Autor de mais de 220 artigos científicos e 17 livros.

(Créditos: MF Press Global)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.