Prefeitos contornam consequências da crise

Américo Brasiliense e Santa Lúcia vivem situações opostas em relação à arrecadação do ICMS. Enquanto o município de Américo Brasiliense registrou nova queda, Santa Lúcia teve um aumento de 12%.

A prefeita Cleide Berti Ginato afirma que a previsão para 2002 é de que a queda chegue a R$ 1,5 milhão.

A administração tem trabalhado para que os empresários renegociem as dívidas de ISS. “O que é garantido para o município é o ICMS e o Fundo de Participação (FPM). Conseguimos compensar a perda do ICMS com o Fundo, mas há uma tendência de redução dessa receita para este ano”, frisa.

Para se ter uma idéia da dificuldade que vem sendo enfrentada com sucesso, em Américo Brasiliense, o setor da Saúde consome cerca de 30% do orçamento municipal – o estipulado pelo governo federal é 12%.

“Em dezembro, destinamos R$ 371 mil só para a área da Saúde”, comenta a prefeita. “Se conseguir não dispensar funcionários e continuar com os mesmos serviços prestados à população já me dou por vitoriosa”.

Pagamento

Em Santa Lúcia, o prefeito Antônio Sérgio Trentim atribui o aumento no ICMS à valorização do produto manufaturado da cana-de-açúcar. ” O comércio não é o maior gerador de rendas, mas a agricultura”, destaca.

Trentim ressalta que essa melhora possibilitará que sejam saldadas as dívidas do município. “Assumimos com uma dívida de R$ 606 mil e já conseguimos pagar R$ 415 mil. O restante pretendemos pagar com o dinheiro proveniente do aumento da arrecadação”.

Compartilhe :

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Falecimento – Maria Clara Polezze Fernandes

Feira das Nações acontece neste domingo (23) na Praça do Daae

Ordem de Serviço para reforma da UBS do Santana será assinada neste sábado (22)

Agenda para curtir a cidade no final de semana (21 a 23 de junho)

Tem show nesta sexta no Sesc Araraquara

CATEGORIAS