Unidades escolares da Rede Municipal de Ensino recebem bonecas negras

0
240
Crianças da Emef EI Caic Ricardo C. C. Monteiro brincando com as bonecas.

A Secretaria Municipal da Educação adquiriu bonecas negras para todas as escolas municipais. Essa é uma das ações que visam contribuir para a efetivação da Lei 10. 639/2003, no sentido de equipar os espaços escolares com recursos pedagógicos que representem a diversidade étnico-racial que caracteriza o Brasil.

Para a secretária Municipal da Educação, Clélia Mara dos Santos, “brincar é coisa muito séria. Por meio das brincadeiras, as crianças criam histórias, encenam situações vividas, projetam seu futuro, aprendem sobre a cultura e as relações sociais. Os brinquedos, como parte do processo de aprendizagem, têm efeitos duradouros na educação e na formação da criança. Ver a si próprio ou não representado é decisivo na formação das subjetividades, das personalidades. Brinquedos que representam a diversidade étnica são fundamentais para a afirmação da identidade”, destacou. “Portanto, brinquedos que garantam a representatividade importam e fazem toda a diferença na vida das pessoas, sobretudo durante a primeira fase da vida”, continuou a secretária da Pasta.

Clélia ainda destaca que a representatividade não é importante apenas para pessoas negras, mas também para pessoas não negras. “Contribuindo para criar referências afetivas e estabelecer diferentes padrões de relações sociais de respeito que potencialmente os brinquedos e as brincadeiras reproduzem”.

A coordenadora técnica de Estudos Étnico-raciais, Rosires de Fátima Botelho, explica que é de suma importância trabalhar com as crianças o respeito à diversidade sejam elas brancas ou negras. “Trazer para o universo escolar bonecas e outros brinquedos que contemplem a diversidade étnica e representem as diferentes matrizes que deram origem ao povo brasileiro é uma excelente forma de trabalhar a autoestima das crianças pretas, devido à cultura do branqueamento presente em nossa sociedade, rompendo com padrões estéticos impostos”.

A coordenadora destaca que a Secretaria Municipal da Educação possui outras ações em curso, dentre elas, a aquisição de outros recursos, como o Atlas Geocultural da África, além da realização de ações formativas que contribuam para a capacitação e o engajamento das equipes para uma educação antirracista. “Promover ações diversificadas nos mais diferentes aspectos sejam formativos de estudos, pesquisas, leituras que engajem os educadores na construção curricular e práticas que correspondam às demandas de uma escola comprometida com perspectivas educacionais emancipatórias e plurais, combativas ao racismo”.

A diretora do CER Profª Maria da Glória Fonseca Simões, Janaína Patrícia Gonçalves, destaca que a unidade já trabalha numa perspectiva da educação antirracista contando com livros, lápis de cor com diferentes tons de pele e que a recepção das bonecas complementa esse trabalho. “Quando as bonecas chegaram, a escola já havia adquirido alguns outros brinquedos, então, reorganizamos a sala multimeios com vários brinquedos novos e a identificação de algumas crianças foi imediata”.

Segundo ela, as bonecas reforçam a identidade no imaginário das crianças. “A importância delas é enorme por conta da criança ter no faz de conta a possibilidade de se reconhecer, brincar de mamãe e filhinha e ter uma boneca que se parece com ela. Isso é fundamental para a formação da identidade das crianças”.

A professora de Educação Integral da EMEF do CAIC Eng. Ricardo Caramuru de Castro Monteiro, Viviane Joceline Bergamin, salienta que a chegada das bonecas foi marcada por muita emoção entre as crianças. “Muitos olhinhos brilhando e expressões que transmitem emoções difíceis de descrever”. Ela conta inclusive que uma das crianças identificou semelhanças de uma das bonecas com a sua irmã que é agente educacional na unidade escolar. “Quando essa funcionária viu a boneca ficou encantada não apenas com a felicidade das crianças, mas com o fato de poder enviar uma foto dela com a boneca para sua mãe”.

A professora destaca que as bonecas negras fortalecem a representatividade e são uma ferramenta na construção da identidade da criança negra, podendo levá-la a entrar em um mundo onde ela é protagonista. “A falta de representatividade nos brinquedos é uma forma violenta, ainda que silenciosa, de racismo. As bonecas também são uma forma de inclusão, não precisa ser uma criança negra para brincar com bonecas negras. É urgente que as crianças brancas também vivam essa experiência para que se tornem adultos que respeitem as diversidades”, concluiu.

SECRETARIA MUNICIPAL DE COMUNICAÇÃO
PREFEITURA DE ARARAQUARA

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.