Teste o seu Português (651)

0
193

Prof.ª Dr.ª Terezinha de Jesus Bellote Chaman (*)

Deus fez o homem à sua própria imagem, mas a do público é feita pelos jornais. (Benjamin Disraeli).

Se, por um lado, o termo imprensa designa uma das mais criativas invenções humanas, por outro lado, constitui o primeiro dos poderosos meios de comunicação de massa.
Jeremy Bentham (1748-1832, in: BURKE, 2004) descreveu os jornais como “os melhores e mais confiáveis civilizadores do país…”. Walter Bagehot (1926-77, in: BURKE, 2004) achava axiomático que, em política, “a forma de governo se torna liberal na proporção exata em que aumenta o poder da opinião pública”. George Canning (1770-1827, in: BURKE, 2004) referiu-se, em um discurso para os constituintes de Liverpool, em 1822, ao “forte poder da opinião pública corporificado por uma imprensa livre”. Benjamin Disraeli (1804-81, in: BURKE, 2004), um crítico contundente, colocou na boca de seus personagens: “A opinião atualmente é suprema e fala pela imprensa”. Em 1916, segundo Park, o jornal era “o grande meio de comunicação”.
Esse breve viajar por opiniões diversas, faz-nos apenas e tão somente reiterar a força poderosa da imprensa, através dos tempos. Faz-nos entender que nenhum novo meio: rádio, televisão, internet, representou um autêntico desafio à imprensa. “Nenhum meio eliminou o outro, o velho e o novo coexistiram”, postula Burke (2004, p.267). O “quarto poder” continua firme, e forte, “permanecendo um meio de comunicação básico, mesmo depois do aparecimento da mídia eletrônica”, afirma-nos Burke (2004, p. 201). Evidencia assim a idéia de que a tecnologia não era o fator dominante.
Não se pode desconhecer a frase de Nixon: “A imprensa é o inimigo” (apud BURKE, 2004, p. 254). Óbvio, ela define o tom da argumentação, não faz acordo, ou não deve fazê-lo, divulga o que é e não o que se quer que seja. Mas não se pode esquecer, como muito bem aponta Edvaldo Pereira Lima (2002, p. 95), que “faz parte do ideário do jornalismo uma desejável busca pela humanização”. O desgaste dos métodos empregados pela imprensa periódica nos últimos vinte anos,evidencia-nos uma concepção reprodutivista, eivada de automatismo e carente de vibração, por parte de muitos meios de comunicação. Esquecem-se, talvez, de que estes abrem um leque de estudo que mescla ideologia, entretenimento, opinião, formação. Esquecem-se, talvez, de que se destinam a elevar o nível da comunidade humana, objetivando a produção de sentidos. Esquecem-se, talvez, de que o leitor hoje é o homem qualquer, não mais a elite.
Cremos no poder da literatura como uma das pedras de toque mais eficientes da comunicação de massa. O jornalista precisa beber na fonte literária para ensinar o leitor a ser cidadão, concretizando assim os verdadeiros papéis do jornalista: o de leitor insaciável e o de primeiro leitor de seus textos. E para tanto, nessa indústria de informação das sociedades modernas, o jornalista não pode e não deve olvidar seu destino, que é o de ler, compreender, interpretar, exercer a sensibilidade, criticar, escrever para democratizar o conhecimento.
Imersos numa sociedade do conhecimento ou da informação, reiteramos até que ponto o ruído dos aplausos ao progresso quantitativo e desenfreado encobre e mascara o silêncio do pensar, do refletir, do ler, do ler criticamente, do produzir sentido? Até que ponto tal sociedade favorece a formação de leitores que sejam sujeitos ativos, capazes de uma leitura crítica, madura e consciente da comunicação impressa?
(Fragmento da Introdução de Dissertação de Mestrado apresentada para a obtenção de título de Mestre na área de Comunicação, UNESP/Bauru – 2005, CHAMAN, T. J. B).

Teste o seu Português

01 – Era uma alcatéia enorme!
Qual o significado de alcatéia, no contexto?
a ( ) uma porção de flores;
b ( ) uma reunião de jurados;
c ( ) um bando de lobos;
d ( ) um grupo de artistas.

02 – Era uma plêiade de jovens brasileiros.
Qual o significado de plêiade, no contexto?
a ( ) um grupo de pessoas notáveis;
b ( ) um grupo de desordeiros;
c ( ) uma reunião de ministros.

03 – Ele fazia parte de uma súcia e tanto!
Qual o significado de súcia, no contexto?
a ( ) um grupo de escolares;
b ( ) grupo de pessoas de má índole, corja;
c ( ) um grupo de pessoas tristes;
d ( ) um grupo de viajantes.

04 – Era uma tertúlia musical, bem familiar.
Qual o significado de tertúlia, no contexto?
a ( ) um grupo de sacerdotes;
b ( ) um grupo de amigos;
c ( ) um grupo de atletas;
d ( ) uma grupo de cozinheiros.

05 – A imprensa não pode se vender à camarilha de alguns.
Qual o significado de camarilha, no contexto?
a ( ) um grupo de intelectuais;
b ( ) uma reunião de trabalhadores;
c ( ) um grupo de bajuladores;
d ( ) um grupo de desordeiros.

06 – Margarete está em seu quinto mês de ___________.
a ( ) jestassão;
b ( ) jestação;
c ( ) gestassão;
d ( ) gestação.

07 – Nesse final de semana, tive muitos motivos para ___________: colhi mais uma primavera.
a ( ) regosijar-me;
b ( ) regozijar-me;
c ( ) regusijar-me;
d ( ) reguzijar-me.

08 – Uma coisa que me ___________ muito é ver ___________ uma rosa.
a ( ) emossiona – floresser;
b ( ) emosciona – floreser;
c ( ) emociona – florescer;
d ( ) emosiona – florecer.

09 – O jogador ____________ foi _______________ de campo.
a ( ) indisciplinado – expulso;
b ( ) indissiplinado – espulço;
c ( ) indisiplinado – espulso.

10 – Coloque a palavra adequada em cada contexto: deverás – deveras.
a – Allan, você é __________ prático em sua cozinha.
b – Allan, após o jantar, ___________ lavar os pratos.

(*) Pesquisadora do GEPEFA – Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Famílias – UNESP/Franca.

Respostas

Resp 1.: c – Era uma alcatéia enorme!
Alcatéia (no contexto) = um bando de lobos.
Resp 2.: a – Era uma plêiade de jovens brasileiros.
Plêiade (no contexto) = um grupo de pessoas notáveis.
Resp 3.: b – Ela fazia parte de uma súcia e tanto!
Súcia (no contexto) = grupo de pessoas de má índole, corja.
Resp 4.: b – Era uma tertúlia musical, bem familiar.
Tertúlia (no contexto) = um grupo de amigos.
Resp 5.: c – A imprensa não pode se vender à camarilha de alguns.
Camarilha (no contexto) = um grupo de bajuladores.
Resp 6.: d – Margarete está em seu quinto mês de gestação.
Gestação (= período de tempo em que se desenvolve o embrião no útero).
Resp 7.: b – Nesse final de semana, tive muitos motivos para regozijar-me: colhi mais uma primavera.
Regozijar-se (= ficar muito feliz com, alegrar-se).
Resp 8.: c – Uma coisa que me emociona muito é ver florescer uma rosa.
Emociona (= comove).
Florescer (= abrir-se).
Resp 9.: a – O jogador indisciplinado foi expulso de campo.
Indisciplinado (= desobediente).
Expulso (= posto fora).
Resp 10.: a – Allan, você é deveras prático em sua cozinha.
b – Allan, após o jantar, deverás lavar os pratos.
Deveras (= realmente, verdadeiramente).
Deverás (= do verbo dever).

OBS.: Colunista semanal dos jornais Diário do Grande ABC (SP) e Jornal de Araraquara (SP), Jornal Independente – Dois Córregos (SP), Tribuna do Norte – Natal (RN), Jornal de Nova Odessa (SP), Diário da Franca – Franca (SP) e Diário de Sorocaba – Sorocaba (SP) – Jornal de Itatiba – Itatiba (SP) – O Liberal Regional – Araçatuba (SP) – Diário da Serra – Tangara da Serra (MT).

Deixe uma resposta