Teste o seu Português (647)

0
141

Prof.ª Dr.ª Terezinha de Jesus Bellote Chaman (*)

“A leitura é por direito infinita, retirando o obstáculo do sentido, colocando a leitura em roda livre (que é sua vocação estrutural), o leitor é tomado por uma perturbação dialética: finalmente ele não decodifica, ele sobrecodifica, ele não decifra, produz, ele acumula linguagens, ele se deixa infinita e incansavelmente atravessar por elas: ele é esta travessia”. […] (apud RAVOUX-RALLO, 1993, p. 137).

Sabemos que a riqueza linguística do jornalismo impresso faz emergir o jogo da comunicação. De acordo com Pierre Lévy (2000, p. 22), o jogo da comunicação consiste em, através de mensagens, transformar o contexto compartilhado pelos parceiros. Ao dizer que o sentido de uma mensagem é uma “função” do contexto, não se define nada, já que o contexto, longe de ser um dado estável, é algo que está em jogo, um objeto perpetuamente reconstituído e negociado. E nesse jogo, o jornalista é também leitor, dentro da redação.
Apesar das grandes tiragens, o jornal é um produto dirigido a cada leitor em separado. Mesmo que vários leitores leiam um exemplar, cada um deles encontra algo muito seu e muito próprio. O ritmo do jornal sintonizou-se com a sucessão dos dias, de tal forma, que hoje um faz parte do outro. Para o leitor de um jornal, um dia sem ele é um dia diferente. Acrescente-se: o leitor governa a leitura do seu jornal, faz suas escolhas, diferentemente de veículos temporários ou mistos. O seu fácil manejo e relativa periodicidade permitem-lhe guardá-lo por momentos, horas, dias, quiçá anos. O leitor: princípio e fim. Sim, o leitor princípio e fim: o leitor não como um fato isolado. O leitor que escolhe o estilo, a orientação e a linha dos respectivos jornais.
Sim, o leitor princípio e fim, já que a função do jornal é produção versus leitura. Sendo que esta determina a vida ou a morte, a falência daquela. Quem cria, quem instaura, quem discute, quem valoriza o sentido do texto? Um texto se constitui no momento em que os parceiros, interessados na atividade comunicativa, são capazes de construir determinado sentido. Então, à concepção de texto subjaz o postulado básico de que o sentido não está no texto, mas é construído a partir dele. Cada texto é uma leitura. Cada leitura é uma crítica. Lembra-nos a metáfora do iceberg:
“[…] como este, todo texto possui apenas uma pequena superfície exposta e uma imensa área imersa subjacente. Para se chegar às profundezas do implícito e dele extrair um sentido, faz-se necessário o recurso a vários sistemas de conhecimento e a ativação de processos e estratégias cognitivas e interacionais”. (KOCH, 1997, p. 25).
E nos perguntamos: que leitores e quantos leitores não passarão da pequena superfície exposta? Por outro lado, quais leitores e quantos deles penetrarão na imensa área imersa, subjacente? Quais e quantos leitores chegam às profundezas do implícito e dele extraem sentido? Quais e quantos leitores, reiteramos, sabem e/ou querem acionar os vários sistemas de conhecimento, os processos e estratégias cognitivos e interacionais? Texto, energia em movimento, não produto pronto. Leitura crítica, leitor crítico, ah! sonho perseguido por poucos na sociedade da tagarelice, mas contraponto urgente à indústria cultural, que transforma tudo em mercadoria e objeto descartável. (Fragmento da Introdução de Dissertação de Mestrado apresentada para a obtenção de título de Mestre na área de Comunicação, UNESP/Bauru – 2005, CHAMAN, T. J. B).

Teste o seu Português

01 – Ele leva sempre uma ___________, nos negócios comerciais que realiza.
a ( ) porcentagem;
b ( ) percentagem;
c ( ) porcentajem;
d ( ) percentajem.

02 – Precisa ter controle das emoções e da ___________, para tornar-se um grande estadista.
a ( ) coguinição;
b ( ) coguinisão;
c ( ) cognição;
d ( ) cognisão.

03 – Aquele pobre senhor sofre de ___________.
a ( ) epilepsia;
b ( ) epilepisia;
c ( ) epilepcia;
d ( ) epilepicia.

04 – Qual frase abaixo está absolutamente correta?
a – Os pulverisadores são empregados no combate as pragas.
b – Os pulverizadores são empregados no combate hás pragas.
c – Os pulverizadores são empregados no combate às pragas.

05 – Adoro colocar bastante ___________ no quentão.
a ( ) jenjibre;
b ( ) jengibre;
c ( ) gengibre;
d ( ) genjibre.

06 – Temos de ser cuidadosos com nossos clientes, durante a __________ de um contrato.
a ( ) vijência;
b ( ) vigência;
c ( ) vijênscia;
d ( ) vigênscia.

07 – Aquela moça é muito ___________. Pena que seja tão ___________!
a ( ) simpática – alcoviteira;
b ( ) cimpática – alcovitera;

08 – Um texto ___________, muitas vezes, é de fácil entendimento.
a ( ) sinópitico;
b ( ) cinópitico;
c ( ) sinótico;
d ( ) cinóptico.

09 – Comprei um lindo _________ de presente para o meu marido.
a ( ) polôver;
b ( ) pulover;
c ( ) polover;
d ( ) pulôver.

10 – Aquele gerente de banco é extremamente ____________.
a ( ) sectário;
b ( ) cectário;
c ( ) sequitário;
d ( ) cequitário.

(*) Pesquisadora do GEPEFA – Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Famílias.

Respostas

Resp 1.: a – b – Ele leva sempre uma porcentagem ou percentagem, nos negócios comerciais que realiza.
Percentagem ou porcentagem (= comissão sobre um valor de cem unidades).
Resp 2.: c – Precisa ter controle das emoções e da cognição, para tornar-se um grande estadista.
Cognição (= ato de adquirir conhecimento).
Resp 3.: a – Aquele pobre senhor sofre de epilepsia.
Epilepsia (= transtorno cerebral).
Resp 4.: c – Os pulverizadores são empregados no combate às pragas.
Resp 5.: c – Adoro colocar bastante gengibre no quentão.
Gengibre (= raiz usada como tempero).
Resp 6.: b – Temos de ser cuidadosos com nossos clientes, durante a vigência de um contrato.
Vigência (= tempo durante o qual um contrato vigora).
Resp 7.: a – Aquela moça é muito simpática. Pena que seja tão alcoviteira!
Simpática (= agradável).
Alcoviteira (= fofoqueira, mexeriqueira).
Resp 8.: c – Um texto sinótico, muitas vezes, é de fácil entendimento.
Sinótico (= resumido, sintético).
Sinótico ou sinóptico – São formas variantes, registradas em dicionários, mas a 2ª não ocorre. (Neves, 2003, p. 710)
Resp 9.: d – Comprei um lindo pulôver de presente para o meu marido.
Pulôver (= colete de malha de lã sem mangas).
Resp 10.: a – Aquele gerente de banco é extremamente sectário.
Sectário (= intolerante, intransigente).

OBS.: Colunista semanal dos jornais Diário do Grande ABC (SP) e Jornal de Araraquara (SP), Jornal Independente – Dois Córregos (SP), Tribuna do Norte – Natal (RN), Jornal de Nova Odessa (SP), Diário da Franca – Franca (SP) e Diário de Sorocaba – Sorocaba (SP) – Jornal de Itatiba – Itatiba (SP) – O Liberal Regional – Araçatuba (SP) – Diário da Serra – Tangara da Serra (MT) – Gazeta Penhense – Penha/SP.

 

 

Deixe uma resposta