Segunda-feira (19): programação da Semana Luís Antonio acontece no Palacete das Rosas

0
432
Experimento "Tríade"

Artistas de Araraquara apresentam experimento e performances a partir das 20 horas; primeiro experimento será realizado em frente ao Palacete localizado ao lado da Prefeitura

A programação da 35ª edição da Semana Luís Antonio Martinez Corrêa – Festival de Teatro (SLAMC) nesta segunda-feira, 19 de junho, será realizada no Palacete das Rosas Paulo A.C. Silva, ao lado da Prefeitura de Araraquara, a partir das 20 horas. Não é necessária a retirada prévia de ingressos para as apresentações deste dia.

A primeira atividade da programação é o experimento “Tríade: uma releitura de ‘O Leão e a Jóia'”, em frente ao Palacete, às 20 horas; na sequência, às 21 horas, no interior do Palacete, os alunos da 20ª turma do Curso Técnico em Teatro do Senac Araraquara apresentam “Galeria de obras experimentais de Arte-Performance”, com 12 cenas independentes.

A Semana Luís Antonio Martinez Corrêa é uma realização da Secretaria Municipal de Cultura e Fundart e tem o apoio: da Unesp Araraquara, do PROEC – Pró Reitoria de Extensão Universitária e Cultura, da FCLAr – Faculdade de Ciências e Letras, do CAC – Centro Ação Cultural, do Programa de Pós Graduação em Estudos Literários, do Senac Araraquara e do Sesc Araraquara.

Mais informações sobre a programação da SLAMC podem ser acompanhadas no site e redes sociais da Prefeitura de Araraquara, e nas redes sociais da Semana Luís Antonio (https://www.instagram.com/slamc_aqa/). Toda a programação é gratuita.

SLAMC – PROGRAMAÇÃO DE SEGUNDA-FEIRA (19)

–  Experimento “Tríade: uma releitura de ‘O Leão e a Jóia'” (Araraquara)

Horário: 20 horas

Local: Em frente ao Palacete das Rosas (Rua São Bento, 794 – Centro)

– “Tríade” é um experimento cênico ritualístico, onde Ashia, Bomani e Suri, possuem vivências diferentes e com isso carregam em si mazelas da sociedade contemporânea. Os personagens buscam através do experimento denunciar e curar tais mazelas, além de nos mostrar os limites entre o progresso e o conservadorismo. Vale destacar que o experimento foi selecionado para a programação da SLAMC por meio de edital.

Ficha técnica:

Elenco: Bruno Rafael Caldeira, Eduardo Marçal Chaves e Vanessa de Oliveira da Silva

Dramaturgia/Projeto/Direção Geral: Bruno Rafael Caldeira

Texto: Livremente inspirado em “O Leão e a Joia”, de Wole Soyinka

Co-direção: Bruno Rafael Caldeira, Eduardo Marçal Chaves e Vanessa de Oliveira da Silva

Sonoplastia: Eduardo Marçal Chaves

Iluminação: Gyovanna Cristina Cardoso Fiorin

Figurino: Lizandra Yukie Murassari

Documentação/Direção de fotografia: Ana Karolina Gonçalves Neves

Classificação Etária: 14 anos

Duração: 40 min

Gratuito – Não precisa retirar ingresso

–      “Galeria de obras experimentais de Arte-Performance”, com 20ª turma do Curso Técnico em Teatro – Senac Araraquara

Horário: 21 horas

Local: Palacete das Rosas Paulo A.C. Silva (Rua São Bento, 794 – Centro)

– “Cerimônia do chá com o desconhecido”, com performer Link – Venha participar da hora do chá, onde intimidade e acolhimento estão presentes e construídos por um performer/anfitrião incomum e muito excêntrico, que eventualmente questiona os participantes com os grandes questionamentos da humanidade.

– “Presente Futuro”, com performer Junior Freedom – Diante do constante problema ambiental e social que vivemos, o lixo tem cada vez mais causado a destruição do planeta. Mesmo com toda a conscientização presente. A espera pelo que o outro faça, nos causa uma falsa sensação de falta de culpa.

– “Panapaná”, com performer Guhs – Um corpo frente a uma pilha de roupas de diversos tamanhos, texturas, cores e estilos. De repente, vários corpos – várias possibilidades em um corpo só. E, então, o público é convidado a, também, se experimentar.

– “E.X.P.O.S.I.Ç.Ã.O”, com performer Samira Arruda – Máscara, mãos amarradas, canetas… Uma performance sobre falas e ações frequentemente projetadas sobre corpos e corpas negras. É uma reflexão sobre como esses preconceitos se colocam entre esses corpos e o olhar do observador.

– “Reflexo”, com performer Junior Roque – A performance “Reflexo” irá explorar as pressões sociais de estéticas que os homens gays enfrentam em sua busca por aceitação e reconhecimento, onde eles tentam se encaixar nos padrões e expectativas impostos pela sociedade.

– “Caixa de coisas não ditas”, com performer Vitória Chiossi – A performance conduz o participante a revisitar suas memórias e emoções a partir de uma vivência coletiva, mas ao mesmo tempo de caráter introspectivo e pessoal, que tem a intenção de trazer à superfície aspectos e desejos esquecidos.

– “Aposte na sorte”, com performer Renato Victor – Nos deparamos com situações em que precisamos tomar atitudes. E muitas vezes nos deslumbramos no caminho, caindo em nossas próprias armadilhas. A partir de uma experiência imersiva, a performance “Aposte na sorte” te convida a refletir sobre vícios e manias que nos atravessam cotidianamente.

– “Estômago”, com performers Esdruxula e Agatha – A performance convida o público para um ambiente claustrofóbico de vícios e transtornos gerados pela indústria. Empurrados goelas abaixo, os elementos performáticos revelam reflexos íntimos de ambas as performers. Não existe escolha para além do que já é definido.

– “A Sós”, com performer Júlia Flores – Em uma reflexão sobre a distorção da própria imagem e a pressão estética reforçada pelos padrões do século XXI, a performance A Sós, convida o público a conhecer, de maneira sensorial, a própria atriz a partir de sua própria perspectiva sobre si.

– “Veja-me”, com performer Luana Rocha – A performance veja-me tem como objetivo instigar o público a presenciar sensações semelhantes às que pessoas autistas passam todos os dias como excesso de estímulos sensoriais presentes em diversos ambientes de extremos ruídos.

– “O Intervalo”, com performer Bob – “O que você diria para seu chefe?” é a pergunta que guia esta performance em que o público é convidado a refletir sobre as relações de trabalho e as restrições que acompanham a hierarquia corporativa entre funcionários e superiores.

– “A coisa tá preta”, com performer Nathiele França – A partir da disposição de objetos, adereços e da presença da atriz em cena, a performance “A coisa tá preta” convida o espectador a retomar frases, ditados e acontecimentos racistas enraizados na sociedade brasileira.

Programação gratuita

SECRETARIA MUNICIPAL DE COMUNICAÇÃO
PREFEITURA DE ARARAQUARA

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.