Se amar fosse fácil…

Padre Fernando Fraga

Se amar fosse fácil, não haveria tanta gente amando mal, nem tanta gente mal amada. Se amar fosse fácil, não haveria tanta fome, nem tantas guerras, nem gente sem sobrenome. Se amar fosse fácil, não haveria crianças nas ruas sem ter ninguém, nem haveria orfanatos, porque as famílias serenas adotariam mais filhos, nem filhos mal concebidos, nem esposas mal amadas, nem mixês, nem prostitutas. E nunca ninguém negaria o que jurou num altar, nem haveria divórcio e nem desquite, jamais… Se amar fosse tão fácil, não haveria assaltantes e as mulheres gestantes não tirariam seu feto, nem haveria assassinos, nem preços exorbitantes nem os que ganham demais, nem os que ganham de menos. Se amar fosse tão fácil nem soldados haveria, pois ninguém agrediria, no máximo ajudariam no combate ao cão feroz. Mas o amor é sentimento que depende de um “eu quero”, seguido de um “eu espero”; e a vontade é rebelde, o homem, um egoísta que maximiza seu “eu” por isso, o amor é difícil. Jesus Cristo não brincava quando nos mandou amar. E, quando morreu amando deu a suprema lição. Não se ama por ser fácil, ama-se porque é preciso! Senhor, dai-nos esta graça… Ensina-nos a amar. Capacita-nos!” (Pe. Zezinho, scj)”.

Quando falar de Amor

Finja nada conhecer, para absorver cada frase que brote do coração. Quando falar sobre a dor, deixe abertas as janelas da alma para compreender que amor e dor são tão parecidos que até os confundimos, ao vê-los bem de pertinho. Quando falar sobre a paz, faça-o no rumor da guerra, para ser ouvido na mais alta voz. Quando falar sobre sonhos, acorde, para vivê-los na melhor lucidez do seu dia. Quando falar de amizade, estenda a mão aos seus inimigos, para que possa provar a si mesmo aquilo que gosta de dizer aos outros. Quando falar de fome, faça um minuto de jejum, para lembrar daqueles que jejuam todos os dias, mesmo sem querer…Quando falar de frio, abrace alguém. Quando falar de calor, estenda a mão. Quando estender a mão, sustenha o braço para que perdure. Quando falar de felicidade, acredite nela. Quando falar de fé, cerre os olhos para encontrar a razão daquilo em que crê. Quando falar de Deus, faça-o pelo silêncio do seu testemunho. Quando falar de si mesmo, aprenda a calar, para entender o amor, a dor, a paz, os sonhos.

REFLEXÃO DA SEMANA:

Se o amor é cego, o importante é tocar…Afagar! Provérbio corso.

Compartilhe :

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Tragédia Gaúcha

Os dois Brasis

A Reforma tributária e o preço dos alimentos

O transporte público do Brasil está colapsando? Para onde vamos?

A força e união do agro

CATEGORIAS