Precisa de mais sal?

0
243
Imagem Freepik

Organizações Mundiais lançam campanha sobre o consumo em excesso

De 13 a 19 de maio é comemorada a Semana Mundial de Conscientização sobre o Sal. O objetivo é estimular à implementação de intervenções, baseadas em evidências, para que se consiga reduzir o consumo de sal, considerando a importância desta atitude para proteger a saúde cardiovascular e contribuir na prevenção de várias doenças.

A campanha deste ano traz como tema “É hora de dar destaque ao sal”, focando no sal “escondido” (sódio) em diversos produtos, em sua maioria processados ​​e ultraprocessados.  Em muitos países, cerca de três quartos do sódio na dieta são provenientes destes alimentos como pão, molhos e temperos, biscoitos, salgadinhos (snacks), macarrão instantâneo, enlatados, refeições prontas, embutidos e queijos.

Esta mobilização tem agregado importantes órgãos como a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), num esforço global para compartilhar ferramentas técnicas para desenvolver e implementar políticas abrangentes para a redução do sal, nos produtos, no consumo, e apostado no marketing social, para promover práticas saudáveis tanto ​​em casa, como nas escolas e locais de trabalho.

Segundo a OMS, o consumo de sal recomendado é de menos de 5 g/sal (<2 g de sódio) por adulto, diariamente, considerando todas as fontes, o equivalente a uma colherinha de café. Na Região das Américas, apenas, este percentual é bem acima do limite. Estima-se que a ingestão média de sal entre adultos, com 25 anos ou mais, é de 8,5 gramas por dia, que é 1,7 vezes superior à recomendação da Organização e excede muito a necessidade fisiológica. No Brasil, a média nacional é de 9,3 gramas/dia, quase o dobro do recomendado.

“O sal não é 100% um vilão para saúde e apenas um agente causador de doenças. É necessário para manter, principalmente, o equilíbrio líquido dentro e fora de nossas células. O que se alerta é para seu consumo em excesso. Se ingerido em quantidade adequada auxilia em várias funções do nosso corpo, como regular o ritmo cardíaco, o volume sanguíneo, a transmissão dos impulsos nervosos, a contração muscular e ainda ajuda a garantir o equilíbrio dos fluídos corporais. Por isso, não deve ser excluído, completamente, de qualquer dieta. Os malefícios que o sal pode causar são a partir de uma dose acima das nossas necessidades fisiológicas”, explica o Prof. Dr. Durval Ribas Filho- Médico Nutrólogo, Fellow da Obesity Society FTOS – USA e Presidente da ABRAN – Associação Brasileira de Nutrologia

Segundo o especialista, equilíbrio e moderação são as palavras-chaves, quando se pensa em sal. Confira os riscos e benefícios:

O consumo excessivo de sal/sódio afeta no aumento da pressão arterial, causando cerca de 30% da prevalência de hipertensão. Este quadro clínico contribui com pelo menos 40% das doenças cardiovasculares e AVC (Acidente Vascular Cerebral), que representam 45% de todas as DNTs (Doenças Não Transmissíveis).

  • A ingestão, em excesso, também tem sido associada ao câncer de estômago, agravamento dos sintomas de asma, osteoporose, cálculos e outras doenças renais e obesidade, pois os alimentos salgados causam sede, que geralmente é saciada com bebidas açucaradas.
  • Em dose adequada, o sal pode contribuir na digestão; no funcionamento renal e facilitar a produção de energia, além de auxiliar para repor o sódio eliminado pelo suor, principalmente para quem pratica Atividade Física.

O Prof. Dr. Durval Ribas Filho ressalta que não é simples mudar hábitos alimentares, mas dá algumas dicas para equilibrar o consumo de sal:

  1. É importante lembrar que o sal que consumimos já começa desde a preparação do alimento, em casa. A simples exclusão do sal na mesa, pode ser um primeiro passo na redução do consumo. Isso pode ocorrer de forma gradativa e o paladar irá se reeducando devagar.
  2. Substituir o sal por temperos naturais e frescos, como alho, salsinha, cebola, folhas de louro, coentro e pimenta também contribui neste processo, trazendo novos sabores para os alimentos, sem que se perceba a falta do sal.
  3. No supermercado, muita atenção ao teor de sódio nos rótulos, alguns alimentos podem ser aparentemente saudáveis e darem a impressão de que não são “salgados”, mas podem incluir alto teor de sal, como alguns cereais matinais, por exemplo”.

Sobre a ABRAN

Criada em 1973, a  ABRAN – Associação Brasileira de Nutrologia – é uma sociedade de especialidade médica oficial do Conselho Federal de Medicina (CFM), Associação Médica Brasileira (AMB) e Comissão Nacional de Residência Médica e tem a função de promover a Educação em Nutrologia, para todos. Dentro desse contexto inclui-se a outorga para obtenção de título de especialista em Nutrologia, de acordo com as normas dos editais promovidos em conjunto com a AMB e CFM. www.abran.org.br

(VS Press Comunicação)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.