Parto humanizado: assistência reduz riscos para mãe e bebê

0
423

Ao longo dos últimos anos a opção por parto normal ou natural ganhou proporção maior e tem sido a escolha de grande parte das gestantes. Ter ao lado uma obstetra e até uma doula em alguns casos, é significado de segurança e suporte não só físico, mas emocional. Dados do último Censo de Demografia Médica do Brasil apontam que os ginecologistas obstetras representam cerca de 6,5% de todas as 55 especialidades médicas, correspondendo a uma das maiores taxas mundiais.

Com a chegada do desejo de gerar um filho, surgem também dúvidas sobre a escolha mais adequada do procedimento a seguir no momento do nascimento do bebê tão esperado. A médica ginecologista e professora do curso de Medicina da Pitágoras Eunápolis, Lorena Galaes, aponta fatores importantes. “A confiança entre médico e paciente é essencial para traçar os passos que garantirão a segurança de ambos não só no momento do parto, mas durante o pré-natal. A assistência no parto é direito de todas, independente do procedimento escolhido, seja ele vaginal ou cesárea”, aponta a médica.

A especialista destaca, ainda, que o melhor parto é aquele avaliado como mais viável para cada caso. O índice de cesariana ainda é um dos altos entre os países do mundo, muitas vezes por medo, praticidade ou preconceitos sobre as modificações que o parto vaginal possa causar. Para que haja redução do número de cesarianas desnecessárias é preciso uma alteração cultural.

O parto humanizado consiste na assistência à mulher em todas as etapas, independente do parto ser vaginal ou cesariano. O acolhimento para a realização de um procedimento seguro e respeitoso, reduz a taxa de mortalidade materna e perinatal e promove a saúde das mães e do recém-nascido. A saúde de qualidade, assistência digna, bem como a integridade física, psicológica, livre da violência e discriminação, é um direito de todos.

A professora diz que durante o acompanhamento com especialista da área, são explicados os riscos e benefícios de cada via de parto. Nas consultas, a futura mamãe e seu(a) obstetra conversam sobre as condições adequadas para realizar o parto vaginal (normal), ou as indicações de uma cesárea. Isso ocorre ao longo do pré-natal, com o acompanhamento e a evolução da gestação, priorizando sempre o bem-estar.

Para finalizar, a médica enfatiza a importância da boa relação entre médico(a) e paciente, fundamental para estabelecer diálogo e planejamento, além de fortalecer a confiança.

Sobre a Faculdade Pitágoras

Fundada em 2000, a Faculdade Pitágoras já transformou a vida de mais de um milhão de alunos, oferecendo educação de qualidade e conteúdo compatível com o mercado de trabalho em seus cursos de graduação, pós-graduação, extensão e ensino técnico, presenciais ou a distância. Presente nos estados de Minas Gerais, Maranhão, Goiás, Ceará, Pará, Piauí, Paraíba, Pernambuco, Acre, Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Paraná e São Paulo, a Faculdade Pitágoras presta inúmeros serviços à população por meio das Clínicas-Escola na área de Saúde e Núcleos de Práticas Jurídicas, locais em que os acadêmicos desenvolvem os estudos práticos. Focada na excelência da integração entre ensino, pesquisa e extensão, a Faculdade Pitágoras oferece formação de qualidade e tem em seu DNA a preocupação em compartilhar o conhecimento com a sociedade também por meio de projetos e ações sociais. A Faculdade Pitágoras nasceu herdando a tradição e o ensino de qualidade oferecido pelo Colégio Pitágoras, fundado em 1966, que também deu origem ao grupo Kroton.
(Camila Crepaldi)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.