Nhô Pedro

É madrugada, o sono de velho passou… é um silêncio total. Nem os pardais se ouvem, ainda estão dormindo pelo dia cansativo.

Não há carros passando na rua, nem gente falando. Os de casa também dormem. A gente se sente sozinho, perdido neste mundo imenso, cheio de coisas estranhas. Na televisão ouvem-se roubos, assassinatos, latrocínios. Há uma debandada da juventude, parte dela se vai primeiro pelas coisas mais furtuitas. A vida parece que perdeu o valor. Há filhos assassinando pais, netos assassinando avós, irmãos matando irmãos, e as mortes mais obtusas sem causa aparente. Sumiço do dinheiro do povo, ladrões de colarinho branco dando os golpes mais sérios, Há quase uma impunidade, ninguém tem medo de nada: nem de justiça nem de polícia.

Parece que a grande maioria faz parte da corrupção: há juízes corruptos, há toda uma casta de pessoas que deveria ser séria e não é. É das cadeias que partem as ordens, segundo a televisão, para que se mate fulano e se dê forma aos planos de bandidos. Não há segurança real nestes presídios, com raras exceções. Hoje vivemos em casas com muro alto, com portões eletrônicos. Televisão nas portas além de grades em todas as janelas. Até uma guarda particular que passa, com um mísero assobio, pelas nossas ruas. Isso não defende ninguém de nada, há ainda os anti-armamentistas que querem tirar o direito de termos nossas armas em casa pra ficarmos ao dispor da bandidagem. Eles não terão problemas pois vivem cercados de seguranças e o povo que se dane, se arrebente e que vota neles. Você é assaltado em plena rua no seu carro, levam tudo o que há de bom quando não resolvem levar a sua vida. Nenhum país do mundo tem mais carros blindados que o nosso, o que custa uma fortuna e ainda é assaltado. Nossas casas viraram cadeias com muros, portões, câmaras fotográficas, guardas e tudo mais, enquanto os bandidos estão bem frescos e soltos nas ruas. Onde deveríamos ter o direito de ir e vir sem sermos molestados por ninguém. A maioria dos crimes violentos que acontecem na vida é feita por menores. Por mais bárbaros que sejam lhes cabe uma pena de três anos na Febem e depois uma liberdade total sem uma mancha sequer nas suas fichas. Por isso, eles vão matando, levando a culpa pelo crime e os maiores se livram da peça e continuam assaltando e matando por aí e viva, então, os nossos deputados e senadores que nada fazem.

Compartilhe :

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

A força e união do agro

Os riscos e a falta de regulamentação do uso de dados genéticos de pacientes por operadoras de saúde

Por que temos de sofrer as consequências do pecado de Adão e Eva?

Governar com economia e sem aumentar impostos

Cidade: berço de soluções

CATEGORIAS