Minoxidil oral trata queda de cabelo, mas uso sem acompanhamento tem riscos

0
522

Segundo a dermatologista e tricologista, Julyanna do Valle, uso da versão oral do medicamento deve ser prescrita e acompanhada por médicos, pois existem riscos de efeitos colaterais

Com valores a partir de R$ 50, já é possível encontrar lojas on-line vendendo cápsulas de minoxidil, sem a necessidade de receita médica. O medicamento, usado para tratar a hipertensão arterial, se popularizou também como tratamento de alopecia androgenética. Porém, segundo a médica dermatologista e tricologista, Julyanna do Valle, a prescrição e o acompanhamento do uso como tratamento para a queda de cabelo devem ser feitos por um médico. “Não dá para o paciente comprar uma dose aleatória na internet e usar, porque existem sim riscos de efeitos colaterais, como qualquer outra medicação”, afirma.

A forma mais comum de uso do medicamento para tratar a calvície era a loção diretamente aplicada no couro cabeludo com o objetivo de aumentar a circulação sanguínea na região e favorecer o crescimento dos fios. A forma oral ficou conhecida depois de um artigo publicado no jornal The New York Times mostrar que ingerir doses baixas de minoxidil em comprimido também contribui para o crescimento dos cabelos. Mas a compra do medicamento pela internet, sem acompanhamento médico pode trazer sérios efeitos colaterais para a saúde do paciente.

“Geralmente, quando usamos para tratar a alopecia androgenética, que é a principal indicação do minoxidil, inclusive o oral, usamos em doses menores e essa dose vai sendo avaliada de acordo com cada caso, com as comorbidades, se tem riscos ou não, e o ajuste vai sendo feito de acordo com a resposta do paciente. A prescrição pelo médico dermatologista, mesmo em doses mais baixas, é muito individualizada”, explica a dermatologista.

A médica alerta ainda que, por ser uma medicação de uso prolongado até aparecerem os efeitos do tratamento, o acompanhamento é fundamental e demanda, inclusive, avaliação e liberação de um médico cardiologista antes do uso ser iniciado. Tudo isso para garantir a segurança e a saúde do paciente, que vão além da preocupação apenas estética. (Karolina Vieira – e-mail: [email protected])

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.