Impacto dos feriados no comércio de Araraquara

Luigi Polezze

O comércio de Araraquara enfrenta um desafio neste ano de 2024 com o aumento dos feriados, por exemplo os de 9 e 11 de julho. Nascem novas datas comemorativas que estendem ainda mais o número de dias não úteis. Em entrevista, o presidente da Associação Comercial e Industrial de Araraquara (ACIA), José Janone Junior, destacou as implicações desses feriados para o comércio local e possíveis estratégias para minimizar os impactos negativos.

Diminuição na circulação de dinheiro

A ACIA estima uma significativa diminuição na circulação de dinheiro em Araraquara devido ao potencial de muitos moradores emendarem os feriados para viajar. “O ano de 2024 é o primeiro que vivenciaremos esses dois feriados juntos, portanto posso estimar e não afirmar, com certeza, que teremos uma significativa diminuição na circulação do dinheiro em Araraquara”, comentou. A combinação dos feriados com o período de férias escolares intensifica essa preocupação, pois muitas famílias optam por viajar e gastar em outros municípios.

Estratégias para comemorar os feriados sem prejudicar o comércio

Janone acredita que a Lei da Liberdade Econômica, promulgada há cinco anos, tem ajudado bastante ao permitir que trabalhadores e empregadores negociem diretamente suas jornadas de trabalho, respeitando as cláusulas da CLT. No comércio de Araraquara, esses acordos são coordenados pelos sindicatos. “A ACIA acredita firmemente que o comércio presta um serviço essencial à população. No caso das empresas do comércio de portas fechadas mesmo devido aos feriados, a população é a maior prejudicada, afinal, diariamente temos necessidades de consumo, além dos imprevistos que nos obrigam a comprar algo prontamente”, afirmou o presidente.

O comércio eletrônico, com suas lojas virtuais abertas 24 horas e sistema de entregas rápidas, representa uma alternativa importante. Contudo, a ACIA enfatiza como é essencial que trabalhadores e empregadores criem revezamentos para que as lojas físicas também possam atender aos sábados, domingos e feriados. “Se trabalhadores e empregadores não chegarem a um ponto de equilíbrio e criarem revezamentos, veremos ainda mais o aumento do comércio eletrônico, das lojas autônomas e de conveniências e, consequentemente, desemprego e fechamento das lojas convencionais”, alertou.

Opinião sobre o número de feriados

A ACIA reflete a opinião da maioria dos empresários de que existem muitos feriados que diminuem a produtividade no Brasil em comparação com os países mais desenvolvidos do mundo. “Deveríamos ter no máximo um feriado nacional, um estadual e um municipal, ou, na impossibilidade disso, que os feriados que caírem nos meios de semana sejam deslocados automaticamente para a segunda-feira ou sexta-feira mais próxima”, sugeriu o presidente.

Essa proposta visa a manter a produtividade e minimizar os impactos negativos no comércio, equilibrando as comemorações dos feriados com as necessidades econômicas e de consumo da população.

Com essas perspectivas, a ACIA espera que o diálogo entre empregadores, trabalhadores e sindicatos continue buscando soluções que beneficiem a todos e fortaleçam o comércio local, mesmo em tempos de múltiplos feriados.

Foto: Internet

Compartilhe :

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Hepatites virais: Brasil tem mais de 750 mil casos confirmados

Casa Paulista tem 2.485 cartas de crédito disponíveis na Região Administrativa de Ribeirão Preto

EL realiza inscrições de curso sobre Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

Sesi Araraquara joga pelo bicampeonato da Liga de Basquete Feminino

Handebol feminino conquista 7º lugar no Brasileiro

CATEGORIAS