“Eu, Empresa” é destaque na programação da Mostra Audiovisual Wallace Leal nesta quinta (16)

0
134

Duas oficinas também estão nas atividades da quinta; inscrições ainda estão abertas

“Um trabalhador informal enfrenta problemas financeiros e emocionais”, essa é uma rápida informação sobre o filme “Eu, Empresa”, em cartaz na quinta-feira, 16 de dezembro, na programação da 10ª Mostra Audiovisual Wallace Leal Valentin Rodrigues. Antes, às 9 horas, será realizada a oficina “Realização de curtas-metragens: do desenvolvimento à distribuição”; e às 14h30 a oficina “Releituras de mundo: apropriação e remontagem de imagens e sons para contextos educativos”.
A Oficina “Realização de curtas-metragens: do desenvolvimento à distribuição”, com Heverton Lima, será realizada das 9h às 12h30, pela plataforma Zoom. São 30 vagas e as inscrições ainda podem ser efetuadas pelo link: https://forms.gle/HQBdmYqmPyDW1s7g8 .
Depois, das 14h30 às 17 horas, haverá a oficina “Releituras de mundo: apropriação e remontagem de imagens e sons para contextos educativos”, com Álvaro Alves, também pela plataforma Zoom e com 30 vagas. Inscrições disponíveis pelo link: https://forms.gle/EExWHxr7pGkJED1L7 .
“A gente convidou oficinas que as propostas funcionassem bem virtualmente e que trouxessem esse diálogo com uma construção audiovisual que atendesse profissionais do setor, mas principalmente amadores, aqueles interessados em se aproximar da linguagem, desenvolver projetos e ideias. Todes são bem vindes para somar nessas trocas que serão impulsionadas pelas oficinas”, lembra Lívia Cabrera, curadora da Mostra.

“Eu, Empresa” – Por fim, a programação da quinta se encerra com a exibição do filme “Eu, Empresa”, seguida por um bate-papo com os diretores do filme: Leon Sampaio e Marcus Curvelo.
“Eu, Empresa” apresenta um trabalhador informal que enfrenta problemas financeiros e emocionais. Sem oportunidades decentes de trabalho, ele cria um canal no Youtube para tentar monetizar suas pequenas histórias de fracasso, enquanto presta serviços precarizados para empresas estrangeiras.
Nas palavras do crítico de cinema Michel Gutwilen, do portal Plano Crítico: “o cinema de Curvelo é o cinema do ‘eu’, do narcisismo, daquele que tem consciência de ser o centro das atenções da câmera e auto-ironiza sua própria condição de privilégio. Seu grande trunfo está nesta falsa-poetização melancólica dos white people problems, fazendo grandes ‘tempestades em copos d’água’, retratando dramas existencialistas de um jovem branco de classe média como se eles fossem equivalentes ao fim do mundo, em uma falsa-romantização dessas pequenas situações. ”

Sobre os diretores – Leon Sampaio é realizador dos longas-metragens “Eu, empresa” e “Gente bonita”, além de uma série de curtas. Seus filmes foram exibidos em diversos festivais pelo país (Tiradentes, Janela, Panorama, Forumdoc, dentre outros). Realizou também diversos vídeos com a Brigada Audiovisual do Ocupe Estelita, entre eles “Novo Apocalipse Recife” e “Recife, Cidade Roubada”, que tiveram mais de dois milhões de visualizações. Além de realizador, trabalha como curador e professor de cinema e audiovisual. Atualmente faz doutorado em Comunicação na UFPE, cuja pesquisa se volta aos estudos de colonialidade e branquitude no cinema brasileiro.

Já Marcus Curvelo é realizador audiovisual, ator e escritor. Formado em Comunicação Social pelo Centro Universitário da Bahia e Artes com concentração em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal da Bahia, foi membro do Cual – Coletivo Urgente de Audiovisual entre os anos de 2011 e 2019. Foi roteirista, ator e diretor de diversos e premiados curtas metragens, dentre os quais os curtas Otto Recicla (2014), Prêmio de Melhor Roteiro no IV Festival de Cinema Baiano – FECIBA; Feio, Velho e Ruim (2015), Prêmio Especial do Júri no 25o Cine Ceará – Festival Ibero-Americano de Cinema; A Nova Melancolia (2017), vencedor do Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro e habilitado para inscrição no Oscar 2018; Mamata (2017), eleito o melhor curta-metragem brasileiro de 2017 pela ABRACCINE, Associação Brasileira de Críticos de Cinema, e vencedor dos Troféus Candango de Melhor Ator, Melhor Montagem e Prêmio da Crítica no 50o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro; e Joderismo (2019), eleito como um dos dez melhores curtas metragens de 2019, mais uma vez pela ABRACCINE.

Toda a programação da 10ª Mostra Audiovisual Wallace Leal Valentin Rodrigues – com curadoria de Lívia Cabrera e realização da Secretaria Municipal da Cultura e Fundart – é virtual e gratuita.

SERVIÇO:

10ª Mostra Audiovisual Wallace Leal Valentin Rodrigues
Data: quinta-feira (16 de dezembro)

9h às 12h30 – Oficina “Realização de curtas-metragens: do desenvolvimento à distribuição”, com Heverton Lima
Onde: Plataforma Zoom
30 vagas – Inscrições pelo link: https://forms.gle/HQBdmYqmPyDW1s7g8

14h30 às 17h – Oficina “Releituras de mundo: apropriação e remontagem de imagens e sons para contextos educativos”, com Álvaro Alves
Onde: Plataforma Zoom
30 vagas – Inscrições pelo link: https://forms.gle/EExWHxr7pGkJED1L7

19h – Exibição do filme “Eu, Empresa”, seguido de bate-papo com os diretores Leon Sampaio e Marcus Curvelo
Onde: Plataforma Sympla
Retirada de ingressos pelo link: https://www.sympla.com.br/10-mostra-wallace—eu-empresa-de-leon-sampaio-e-marcus-curvelo__1436872
Programação gratuita

(Secretaria de Comunicação – Prefeitura de Araraquara)

Deixe uma resposta