É possível evitar o Alzheimer com leitura? Neurologista desvenda mitos e verdades sobre a doença

0
12
Foto: Shutterstock

Segundo a OMS, cerca de 50 milhões de pessoas no mundo contam com algum tipo de demência, sendo o mal de Alzheimer a mais comum

Considerado o órgão mais poderoso do corpo humano, o cérebro é capaz de comandar reações, movimentos e sensações. No entanto, alguns hábitos do dia a dia podem impactar sua funcionalidade, ocasionando inúmeras doenças que causam, entre outras coisas, o esquecimento.

O neurologista Maurício Lobato, que atua no AME Itu, gerenciado pelo CEJAM – Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim”, desvenda os principais mitos e verdades sobre o Alzheimer, doença neurodegenerativa e progressiva, que afeta, majoritariamente, pessoas acima de 60 anos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo contam com algum tipo de demência, sendo o mal de Alzheimer, como é chamado, a mais comum.

Ainda sem cura descoberta, a doença impacta na memória, linguagem e percepção do mundo, provocando alterações no comportamento, personalidade e humor das pessoas.

Confira abaixo algumas das principais questões sobre o assunto:

É possível evitar Alzheimer com leitura?

Verdade. O hábito regular da leitura pode ser considerado um fator de proteção contra o desenvolvimento de doenças da memória, como o Alzheimer, assim como pessoas com mais anos de estudo e uma escolaridade mais elevada possuem menor chance de desenvolver a doença.

“Além da leitura, é recomendável que as pessoas incorporem à sua rotina outros hábitos neuroprotetores para a memória e demais funções cognitivas, como a prática regular de atividades físicas e o consumo de alimentação adequada à prevenção de doenças”, reitera o especialista.

Esquecer as coisas indica Alzheimer?

Mito. O sintoma de esquecimento é normal e cotidiano para a maioria das pessoas. O problema ocorre quando este esquecimento se torna disfuncional, atrapalhando as atividades da vida diária e levando a interferências no trabalho e nas relações interpessoais.

Quando isso acontece, é essencial procurar um médico neurologista, que realizará uma avaliação diagnóstica, onde o risco de diversas doenças será avaliado, inclusive o de Alzheimer.

Jovens também podem ter Alzheimer?

Mito. É muito raro que pessoas jovens desenvolvam o mal de Alzheimer, já que o mais habitual é que pessoas mais velhas – geralmente após os 60 anos – apresentem os sintomas da doença.

Conforme o especialista, estima-se que cerca de 10% da população idosa apresente sintomas da doença. “O percentual aumenta progressivamente em faixas etárias mais elevadas.”

Portadores do mal de Alzheimer esquecem tudo sobre sua vida antes da doença?

Mito. No Alzheimer, o esquecimento geralmente é relacionado a fatos recentes e cotidianos, preservando memórias do passado distante, bem como eventos da infância e juventude. No entanto, à medida em que a doença progride, pode haver também esquecimentos para fatos do dia a dia.

“É importante destacar que, durante a doença, pode ocorrer o comprometimento de outras funções cognitivas, atenção e linguagem, assim como eventuais alterações de ordem comportamental e de humor”, alerta.

Cuidadores e familiares também precisam de auxílio para conviver com a doença?

Verdade. A doença de Alzheimer é complexa e envolve outros aspectos da vida do paciente, além dos clínicos.

“Trata-se de uma doença que também impacta a vida de todos ao redor, desde familiares e cuidadores, até os amigos mais conhecidos ou os de âmbito socioeconômico. O Alzheimer interfere na saúde física e mental e nos relacionamentos interpessoais. Até mesmo questões jurídicas podem ocorrer.”

Corpo e mente em equilíbrio

Dr. Lobato alerta para a importância dos cuidados com a saúde da mente e do corpo, mantendo hábitos fundamentais para a prevenção de doenças da memória, como o mal de Alzheimer.

Conforme o médico, é importante compensar doenças crônicas, dentre elas o diabetes, pressão alta e colesterol elevado, bem como combater a obesidade, sedentarismo e hábitos tóxicos ao cérebro, como consumo de álcool e tabagismo.

“Preservar o estímulo intelectual e o bem-estar psíquico, além de manter boa qualidade do sono, também são medidas valiosas e que podem auxiliar seu cérebro, preservando funções cognitivas como a memória. Juntos, estes hábitos garantem maior qualidade de vida na idade mais avançada”, finaliza o especialista.

Sobre o CEJAM

O CEJAM – Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim” é uma entidade filantrópica e sem fins lucrativos. Fundada em 1991, a Instituição atua em parceria com prefeituras locais, nas regiões onde atua, ou com o Governo do Estado, no gerenciamento de serviços e programas de saúde nos municípios de São Paulo, Rio de Janeiro, Mogi das Cruzes, Itu, Osasco, Campinas, Carapicuíba, Franco da Rocha, Guarulhos, Santos, São Roque, Francisco Morato, Ferraz de Vasconcelos, Peruíbe e Itapevi.

Com a missão de ser instrumento transformador da vida das pessoas por meio de ações de promoção, prevenção e assistência à saúde, o CEJAM é considerado uma Instituição de excelência no apoio ao Sistema Único de Saúde (SUS). O seu nome é uma homenagem ao Dr. João Amorim, médico obstetra e um dos fundadores da Instituição. (Máquina CW – [email protected])

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.