Dor no joelho: entenda como são feitas as técnicas de injeções, cirurgias e substituição da articulação

0
84

Se seus joelhos estão sempre acompanhados de compressas de gelo, procurar um médico especialista é o indicado, para entender se é necessária uma intervenção mais invasiva

Definitivamente, existem várias maneiras diferentes de lidar com os sintomas de dor no joelho. Das compressas frias ao descanso, pausa nas atividades físicas e uso de medicamentos, muitas coisas podem aliviar os sintomas. Mas casos persistentes podem requerer intervenções mais invasivas, como injeções, cirurgias e até substituição da articulação. “Além disso, modificações no estilo de vida, como manter um peso corporal saudável, também podem ser extremamente benéficas”, diz o Dr. Marcos Cortelazo, ortopedista especialista em joelho e traumatologia esportiva, membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT). Abaixo, o especialista explica os tratamentos e cirurgias que podem ajudar:

Injeções: As injeções de corticosteroides (cortisona) às vezes são utilizadas pelos profissionais de saúde para aliviar a dor da osteoartrite ou rupturas degenerativas da cartilagem. “Elas fornecem alívio a curto prazo, mas devem ser inseridas em um contexto para o paciente, que geralmente deve também fazer fisioterapia. Elas geralmente são administradas de forma pontual para aliviar os sintomas na fase aguda. Além disso, como os corticosteroides podem enfraquecer e potencialmente romper um tendão, eles não devem ser administrados diretamente nessas estruturas para tratar uma distensão ou tendinite”, explica. O ácido hialurônico, uma substância com alta viscosidade que ajuda a lubrificar uma articulação artrítica, também pode ser usado para tratar a osteoartrite do joelho. “Esse tratamento é administrado na tentativa de reduzir a dor e melhorar a mobilidade geral da articulação”, afirma.

Meniscectomia ou Reparação Meniscal: Quando a dor no joelho é causada por uma ruptura meniscal, ela pode precisar ser tratada cirurgicamente se as opções menos invasivas não forem bem-sucedidas. Este tipo de condição é tipicamente tratado cirurgicamente por: remoção da porção danificada do menisco (chamada de meniscectomia parcial) ou através da sutura meniscal (chamado de reparo meniscal). “Embora os reparos meniscais tenham melhores resultados a longo prazo do que as cirurgias de meniscectomia e sejam menos propensos a levar à osteoartrite, apenas uma pequena parte das lesões pode ser reparada cirurgicamente. Isso ocorre porque os reparos normalmente podem ser realizados apenas em rupturas no terço externo do menisco, que tem melhor fluxo sanguíneo do que o restante da estrutura”, explica.

Substituição total do joelho: Se outros tratamentos conservadores para a dor osteoartrítica do joelho falharem em fornecer alívio da dor e melhora da função, uma substituição total do joelho geralmente é necessária para corrigir o problema. “Essa técnica cirúrgica comum, que envolve a substituição da articulação artrítica por componentes protéticos, demonstrou ser extremamente bem-sucedida na melhora da dor no joelho e no aumento da função geral. Normalmente, a cirurgia é seguida de fisioterapia focada em aumentar a amplitude de movimento do joelho e melhorar a força dos músculos da perna”, destaca o médico.

No caso da artroplastia, o objetivo é a substituição da articulação afetada pela artrose por uma prótese de joelho, que pode ser feita de diferentes materiais, como metal e polietileno, um tipo de plástico. “No entanto, apesar das altas taxas de sucesso do procedimento, muitos pacientes se dizem insatisfeitos com o resultado por apresentarem dor, rigidez e inchaço da região, o que, inclusive, pode causar receio naqueles que ainda irão realizar o procedimento. Felizmente, agora, uma nova geração de próteses de joelho completamente personalizadas está disponível para melhorar o prognóstico da artroplastia”, explica o médico. Tratam-se de próteses feitas sob medida para cada paciente por meio de impressão 3D. “Apesar de hoje já estarem muito avançadas, as próteses de joelho tradicionais são idênticas para todas as pessoas, com variação apenas no tamanho. Dessa forma, para um encaixe perfeito, é necessário, muitas vezes, realizar grandes cortes no fêmur e na tíbia”, explica o médico. Já as novas próteses são produzidas com base em imagens de tomografia computadorizada que permitem que o médico analise o tamanho, o formato e a posição dos ossos do joelho, garantindo assim um encaixe perfeito. “Com isso, a cirurgia é mais rápida, há menor necessidade de cortes ósseos e a prótese pode ser posicionada com maior facilidade”, destaca o ortopedista.

Por fim, o médico diz que muitos casos de dor no joelho podem se beneficiar da redução de peso corporal e da prática de atividade física de fortalecimento. “Por isso, antes de apostar em um suplemento ou alguma técnica caseira, o mais importante é buscar ajuda médica, especialmente se a dor perdurar ou não for amenizada”, finaliza.

FONTE: *DR. MARCOS CORTELAZO: Ortopedista especialista em joelho e traumatologia esportiva. Graduado em Medicina e pós-graduado em Ortopedia e Traumatologia pela Escola Paulista de Medicina/Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), o Dr. Marcos Cortelazo é membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), da Sociedade Latino-americana de Artroscopia, Joelho e Esporte (SLARD) e da Sociedade Internacional de Artroscopia, Cirurgia do Joelho e Medicina do Esporte (ISAKOS). Sócio efetivo da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho e da Sociedade Brasileira de Artroscopia, o especialista integra o corpo clínico dos hospitais Albert Einstein, São Luiz e Oswaldo Cruz. CRM 76316 Instagram: @dr.marcos_cortelazo

(Holding Comunicações)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.