Dia Mundial do Silêncio: estudo revela vários significados do silêncio e como ele interfere na vida das pessoas

0
166
No dia 07 de Maio se comemora o Dia Mundial do Silêncio. Um estudo com teor filosófico liderado pelo professor neurocientista e mestre em psicologia, PhD Fabiano de Abreu Agrela, com a participação das psicólogas Cibelle Torres OliveiraRoselene Espírito Santo WagnerAngelica de Sousa e Adriana Soares Lopes revelou o que o silêncio pode representar e até causar na vida de uma pessoa.

“Não se pode mais falar em silêncio. A expressão mais abrangente seria ‘os sentidos do silêncio’. Os silêncios de submissão e/ou opressão não são benéficos, colocando indivíduos na posição de quem não pode desejar”, diz trecho do artigo.

O estudo apontou que é preciso pensar na expressão “os sentidos do silêncio”, e não apenas nele em si, de modo a tornar a análise mais abrangente.

De acordo com o estudo, certos tipos de silêncio devem ser ouvidos pelo terapeuta, analista ou observador de forma atenta. “Pela via da redução da rede de modo padrão (regiões do cérebro), parece que se encontra uma via de acesso para um silêncio realmente capaz de propiciar saúde mental, física e espiritual”, disse.

O artigo trouxe análises sobre o “não-dito embasado pela psicanálise, Gestalt e Antropologia”, “o silêncio em suas estruturas e funções neurobiológicas”, onde abordam as perspectivas de vários autores sobre como os seres humanos usam o silêncio.

Conforme a conclusão dos autores, não podemos nos deixar enganar pelos devaneios e divagações da mente, pois ela nem sempre é leal, ela pode mentir. E, quando não mente, carrega um inconsciente, com danos.

Outro trecho do artigo deixa claro o poder da meditação, da respiração profunda, de um mantra ou uma técnica usada para mantermos a atenção focada.

“Degenere-se ou desvende-se, só depende de você. Aquiete, preste atenção na inspiração e na expiração. Pare. Descanse. Durma. Acredite no seu potencial e que você merece o melhor. Pois, caso contrário, continuará a paralisar, divagar sem rumo, a se auto sabotar. Buscando, em vão, por respostas que nunca virão pela via de acesso mais comum: a linguagem”, finalizou.

O estudo foi aprovado pelo comitê da revista Multidisciplinar Ciências Latina do grupo Redilat, rede de investigadores latino-americanos.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.