Desvalorização dos policiais paulistas: má gestão pública

0
685
Foto: Divulgação - Coronel PM Humberto Cesar Leão

Texto: Coronel PM Humberto Cesar Leão (*)

É grande a indignação dos policiais paulistas com o descaso do governo estadual perante a degradação salarial da categoria. As promessas de campanha do governador incluíam elevar os policiais aos melhores salários do país, mas, ao invés disto, passaram a amargar o ranking dos piores.
A insuficiência financeira não afeta somente o policial e sua família, atinge também os serviços públicos.
Segundo a doutora em administração de empresas, Denise Delboni, a degradação salarial é capaz de desmotivar muito os empregados, provocando perda de produtividade e afastamento para tratamento de saúde física e mental.
O estresse causado pela insegurança financeira pode levar os policiais à Síndrome de Burnout, como ensina a médica Ana Maria Benevides, ao indicar que a exaustão física e emocional incide em profissionais que prestam assistência, como os policiais, bombeiros e o pessoal da saúde; e que os baixos salários são sérios agravantes. Em pesquisa na Faculdade de Medicina da USP, a Psicóloga Cinthya Covo concluiu que parte dos bombeiros da PM paulista (do resgate) apresentava sintomas dessa síndrome.
O policial militar de São Paulo recorrentemente pratica a chamada “venda da folga”. O termo se refere ao trabalho extra na folga que deveria ser para descanso, atividade física, espiritual, terapêutica e de lazer. As consequências são a fadiga progressiva, dores crônicas, insônia, imunodeficiência, cardiopatias, perda de concentração e memória, impaciência, baixa autoestima, depressão, agressividade, negligência e o suicídio. Portanto, ocorrem reflexos negativos na prestação de serviços de segurança pública.
O descaso com os policiais é facilmente comprovado: o portal do Governo de São Paulo, em 2020, informou que o Produto Interno Bruto (PIB) do Estado de São Paulo cresceu 2,5% em 2019 (maior que o de países como Polônia, Suécia, Bélgica e Argentina, Áustria, Noruega e Irlanda). Com PIB de U$ 603,4 bilhões, SP só é ultrapassado na América Latina pelo próprio Brasil e pelo México. Em 2020, o Estado do RJ teve 15,8% de suas despesas destinadas à segurança pública, enquanto em São Paulo, apenas 5,4%. O superávit paulista foi de R$ 7,7 bilhões em 2020 e encerrou o ano com R$ 14,6 bilhões no caixa.
O STF decidiu que não pode obrigar o governador a apresentar projeto de lei para a revisão anual da remuneração (Acórdão – RE 843.112; 2020; Luiz Fux), contudo, a ementa do acórdão determina que “do artigo 37, X, da Carta Magna, decorre o dever de pronunciamento a respeito da impossibilidade de reposição da remuneração dos servidores com demonstração técnica embasada em dados da conjuntura econômica”.
Portanto, a negligência com os policiais viola os princípios constitucionais da legalidade e da eficiência. Concluímos com uma frase do Professor Tomas Premuzicdo (da Universidade de Columbia, em 2020): “Em tempo de crise, a incompetência não consegue ser escondida por muito tempo!” (AKM Comunicação – adriano@akmcomunicacao.com.br)

(*) É doutor e mestre em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública, bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais, coronel da reserva da Polícia Militar do Estado de São Paulo, engenheiro civil e integra a diretoria da Defenda PM, Associação de Oficiais Militares do Estado de São Paulo em Defesa da Polícia Militar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.