Círculo Virtuoso

Antonio Delfim Netto (*)

Na reunião do FMI em Washington, esta semana, o Ministro da Fazenda do Brasil criticou os organismos internacionais pela demora em socorrer a combalida economia argentina. É do interesse brasileiro ajudar o país vizinho a superar a crise que já causou enormes prejuízos ao comércio regional e da qual muito provavelmente ele não conseguirá libertar-se sem o suporte externo. Ao sugerir, porém, que o FMI organize um mega-pacote de ajuda, a exemplo dos que foram utilizados “com sucesso” para resolver crises em diversos países emergentes (dentre os quais o Brasil), o Ministro foi menos feliz.

Se observarmos os resultados dos programas de ajuste impostos pelo FMI a países como a Rússia, Indonésia, Tailândia e Coréia, por exemplo, não há nenhuma razão para achar que aqueles mega-pacotes foram bem sucedidos, muito pelo contrário. Mesmo no caso brasileiro – quando o FMI foi forçado pelo Departamento do Tesouro dos EUA a organizar um empréstimo de 45 bilhões de dólares em 1998, às vésperas da reeleição – é certamente um exagero falar em sucesso. Até a undécima hora, o FMI sustentava que nossa economia seria destruída se alterássemos a política cambial e chegou a sugerir como alternativa a dolarização!

O que nos salvou foi a pressão do mercado que produziu a desvalorização do real e nos levou a adotar o sistema de câmbio flutuante. A verdade é que o FMI nos ajudou a superar a crise cambial fornecendo recursos para garantir o pagamento aos credores. E o que restou do pacote?

Após quatro anos de rigoroso cumprimento dos acordos com o FMI, a economia brasileira apresenta os seguintes resultados: um ajuste fiscal ainda precário, sustentado por impostos de péssima qualidade; uma dívida interna crescente de 580 bilhões de reais, algo como 55% do PIB; um passivo externo de 400 bilhões de dólares (2/3 do PIB); taxas de crescimento medíocres, de 0,8% do PIB anual, per capita; taxas de juros que desestimulam o crescimento da produção e das exportações; e um nível de desemprego sem precedentes.

É esse quadro nada lisongeiro que o Sr. Cláudio Loser, diretor do FMI encarregado dos problemas da América Latina, qualificou de “círculo virtuoso”, ao dissertar nesta terça-feira em Washington sobre o desempenho da economia brasileira… Após fartos elogios, o Sr. Loser, cautelarmente, tratou de preparar o seu “hedge”: advertiu que o Brasil tem um grave problema, na relação Dívida Líquida/PIB, que põe em risco todos os “progressos” alcançados. Foi como tirar o “chantilly” do bolo…

Seria interessante, então, descobrir em que ponto no “circulo virtuoso” se poderia inserir a solução para os problemas da dívida, dos altos juros e impostos, do baixo crescimento e do elevado desemprego que serão herdados pelo próximo governo.

(*) E-mail: dep.delfimnetto@camara.gov.br

Compartilhe :

No data was found
ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Ala pediátrica da UPA Valle Verde será transferida para a unidade de saúde do bairro nesta sexta (14)

Sesi Araraquara vence o Blumenau no 1º jogo das quartas de final da LBF

Após autorização do Presidente Lula, Prefeitura lança licitação da segunda fase das obras na Via Expressa

Comcriar elege conselheiros e define diretoria para o mandato de 2024 a 2026

Guerreiras viram a chave novamente para o Brasileirão

CATEGORIAS