Circulação de vírus e propagação da gripe: procurar atendimento imediato é o ideal para se recuperar das crises respiratórias?

Característicos do clima frio causam vulnerabilidade e aumento nos problemas de saúde

Nas últimas semanas, a queda nas temperaturas deixou o cenário propício para os problemas respiratórios e a maior propagação de vírus. De acordo com o Boletim InfoGripe da Fiocruz, as internações sofreram uma alta no período, com maior prevalência dos casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG), especialmente por influenza A (gripe) e vírus sincicial respiratório (VSR). E a dúvida que fica entre muitos pacientes agora é: devo cuidar da saúde em casa ou recorrer aos tratamentos e pronto-socorros para reverter o quadro agudo?

Segundo o Dr Alexandre Calandrini, Coordenador e Médico de Família do time de Saúde na Sami, a revolução dos planos de saúde, a prevenção e o cuidado com o sistema imunológico são as grandes chaves para evitar quadros agudos e intensos associados aos vírus respiratórios. Apesar disso, em casos em que a doença tome conta do sistema imunológico do paciente, é preciso ter atenção e pensar racionalmente na busca por atendimento presencial. “Ainda que o paciente já esteja doente, optar logo no primeiro momento por um atendimento presencial em hospital pode significar expor-se ainda mais aos vírus, em um período que o sistema imunológico já está fragilizado e mais propenso a ter complicações. Além disso, também significa expor outras pessoas à doença. Por isso, o primeiro passo é compreender qual  estágio a pessoa está, para assim ser definido o acompanhamento ideal”, explica o médico de família.

Telemedicina é aliada para as gripes e resfriados mais comuns

A telemedicina tem sido uma grande aliada nos períodos de outono e inverno, quando os hospitais apresentam alta nas internações. Atuando como uma espécie de triagem de casos, as consultas remotas podem auxiliar na conduta ideal e na identificação da gravidade dos pacientes. É sempre importante identificar e relatar em detalhes o que está sendo sentido e, principalmente, o início e a duração dos sintomas. 

Para garantir que o médico compreenda o estado de saúde, destaque a existência ou o nível em casos de:

  • Febre alta, acima de 38 °C;
  • Sensação exagerada de cansaço;
  • Perda de apetite e do paladar;
  • Dor de cabeça;
  • Garganta inflamada;
  • Tosse e espirros;
  • Coriza;
  • Dores musculares;
  • Calafrios. 

E quando recorrer ao atendimento presencial?

Se os sintomas estiverem leves, a recomendação é tratar diretamente em casa, com auxílio de consultas online, quando necessárias. Mas, é fundamental estar atento aos sinais e em contato com profissionais de saúde para indicarem o momento certo da mudança de conduta para o atendimento presencial. 

Portanto, se houver agravamento ou sintomas listados abaixo, entre em contato com o seu médico e procure um atendimento imediato:

  • Febre acima de 39 °C que não cede com antitérmicos em até 48 horas ou se vier acompanhada de outros sintomas, como vômito, tosse, dor de cabeça forte ou sensação de desmaio;
  • Arritmia cardíaca;
  • Falta de ar;
  • Perda súbita de sentidos (consciência, visão, audição) ou de força;

O melhor remédio é prevenir

Para o especialista da Sami, este cenário é muito comum todos os anos, mas o ideal é atuar na prevenção. “A detecção precoce de casos e o isolamento de indivíduos infectados são fundamentais para evitar a propagação de vírus. Nesse sentido, a Atenção Primária à Saúde desempenha um papel vital, contribuindo para a redução da incidência e da gravidade das infecções respiratórias. A implementação de medidas preventivas robustas e a ampliação do acesso aos serviços de saúde primários são essenciais para mitigar os impactos dessas doenças. O fortalecimento da APS pode, portanto, não apenas diminuir a pressão sobre os hospitais, mas também salvar vidas ao prevenir complicações graves e reduzir a mortalidade associada a essas infecções”, explica.

Algumas ações que a prevenção engloba, visando evitar a ocorrência de doenças e suas complicações:

  • Vacinação, especialmente em grupos vulneráveis, como crianças, idosos e pessoas imunossuprimidas;
  • Higienização das mãos constante;
  • Cobrir a boca ao tossir ou espirrar;
  • Uso de máscaras descartáveis; 
  • Manter os ambientes limpos e bem ventilados;

Sobre a Sami 

Fundada em 2018, a Sami nasceu para democratizar o acesso à saúde de qualidade e vem revolucionando o setor. Por meio de um modelo que alia tecnologia à saúde coordenada via time de saúde, cria uma conexão sólida entre pacientes, médicos, hospitais e laboratórios. Com planos empresariais voltados para MEI’s e empresas de qualquer porte, a healthtech possui uma rede credenciada de referência, com hospitais como Leforte, Metropolitano, Santa Virgínia e Sírio-Libanês, além de parceiros como Gympass e Zenklub, para garantir a saúde física e mental dos membros. Tendo entre seus investidores os fundos DN Capital (UK), Redpoint eventures, Canary, Valor Capital Group, Mundi ventures e monashees, em 2020 recebeu o maior investimento Série A em saúde da história da América Latina. Com extensão desse round e, em 2023, com mais R$ 90 milhões em Série B, superou R$290 milhões captados.

(Giovana Cardozo)

Foto: Freepik

Compartilhe :

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Avançam as obras de reforma e ampliação do CER do Selmi Dei I  

“Prefeitura nos Bairros”: confira o total atualizado de serviços realizados na edição 2024

Execução do plano de recapeamento que vai atender 40 bairros segue no Melhado

Agenda Cultural

Agenda Esportiva

CATEGORIAS