Câmara aprova moção de apoio à manutenção dos recursos do Sistema S 

0
392

PLV que tramita no Congresso Nacional quer retirar 5% dos recursos do Sesc e Senac e transferir para a Embratur 

A Câmara Municipal de Araraquara aprovou na sessão de terça-feira (9) moção de apoio apresentada pela bancada do PT pela manutenção da integralidade dos recursos dispensados ao Sistema S por meio das contribuições sociais destinadas pelas empresas do setor terciário. A bancada é formada pelas vereadoras Fabi Virgílio e Filipa Brunelli e pelos vereadores Alcindo Sabino e Paulo Landim, presidente da Casa.

Os parlamentares fazem coro ao movimento contrário à aprovação do Projeto de Lei de Conversão (PLV) 09/2023, que, por meio dos artigos 11 e 12, retira 5% da contribuição social ao Serviço Social do Comércio (Sesc) e ao Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), entidades de comprovada e reconhecida qualidade na prestação de serviços nas áreas de serviço social, turismo, esporte, cultura e educação.

De acordo com o PLV, que se baseia na Medida Provisória nº 1.147/2022, de autoria do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e já foi aprovado na Câmara dos Deputados, essa fatia dos recursos seria transferida para a Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur), com o objetivo de aplicação em propaganda no exterior.

No Requerimento 359/2023, os vereadores lembram que os valores destinados ao Sesc e ao Senac não são recursos públicos, são verbas privadas, e, portanto, devem ser utilizados exclusivamente para o fim estabelecido na Constituição Federal. Destiná-los a uma entidade como a Embratur seria, já de início, considerado um desvio de verbas.

Impacto 

 A moção de apoio traz dados fornecidos pelas entidades, que mostram como a retirada dos recursos pode comprometer o andamento de projetos no Sesc e Senac, podendo impactar no fechamento de unidades e no desemprego de milhares de pessoas.

No Sesc, os recursos, se retirados, acarretariam na diminuição de 2,6 milhões de quilos de alimentos distribuídos por programas como o Mesa Brasil Sesc, de combate à fome, na supressão de 2,6 mil exames de saúde e de 37 mil atendimentos em atividades físicas e recreativas. Também haveria corte de duas mil apresentações culturais para um público de 14 milhões de pessoas.

Já o corte no Senac, segundo a instituição, seria de R$ 140 milhões em recursos e causaria o fechamento de 29 centros de formação profissional, com a extinção de 31 mil matrículas gratuitas e mais de sete milhões de horas-aula de cursos reduzidas, com a demissão de 1.623 pessoas e o fim de 23 laboratórios de formação específica para a área do Turismo.

EMBRATUR 

No documento, os vereadores reconhecem a importância da Embratur e a necessidade da reconstrução da imagem do Brasil no Exterior por conta dos desmontes do antigo governo, porém defendem que o recurso para a Embratur seja retirado de outra fonte. “Além da inconstitucionalidade do desvio dos recursos e do prejuízo para o Sistema S, também defendemos a manutenção dos recursos ao Sesc e Senac, porque essa retirada em nenhum momento foi discutida com as entidades e a sociedade civil, e uma mudança com este impacto precisa ser avaliada, debatida e analisada em sua profundidade”, finalizam os vereadores.

Com informações da assessoria de gabinete da vereadora Fabi Virgílio (PT) 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.