Antibióticos e mucolíticos lideram a lista de medicamentos em falta

0
236
Foto: Freepik

Mais de 2200 farmacêuticos de farmácias públicas e privadas responderam ao questionário. Entre as alternativas estão a sugestão ao prescritor para a troca de princípio ativo ou substituição por genérico ou similar intercambiável

Um novo levantamento do Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF-SP) sobre o desabastecimento de medicamentos nas farmácias públicas e privadas do Estado de São Paulo aponta que mais de 98% dos farmacêuticos participantes continuam alegando que medicamentos como antibióticos, mucolíticos, anti-histamínicos e analgésicos estão entre os mais em falta.

O levantamento, realizado de 19/07 a 30/07, apontou que 96% dos farmacêuticos participantes relataram a falta de medicamentos antimicrobianos como amoxicilina, azitromicina, cefalexina e Ciprofloxacino; mucolíticos como acetilcisteína, bromexina, carbocisteína e ambroxol; anti-histamínicos como dexclorfeniramina, loratadina, cetirizina e difenidramina e analgésicos como dipirona, ibuprofeno, paracetamol e ácido acetilsalicílico.

Entre as respostas também estavam as alternativas que vem sendo utilizadas pelos farmacêuticos para contornar o desabastecimento de medicamentos. A maioria (76,48%) sugere ao prescritor a substituição por medicamento com outro princípio ativo e ação semelhante; já 64,14% substituem por medicamento genérico ou similar intercambiável; outros farmacêuticos sugerem, dentre as opções disponíveis, a mais adequada para o quadro do paciente, caso sejam situações que não haja prescrição e que possam ser tratadas com medicamentos isentos de prescrição ou sugerem ao prescritor a substituição por outro medicamento com mesmo princípio ativo, porém outra forma farmacêutica. Parte dos participantes sugere ao paciente a manipulação, caso o medicamento tenha sido prescrito pelo princípio ativo.

A maior parte dos relatos destaca a falta de formulações líquidas, o que pode prejudicar muito a população pediátrica, pois a maioria dos medicamentos para esse público-alvo é líquida, por serem mais fáceis de administrar.

Para o presidente do CRF-SP, Dr. Marcelo Polacow, comparando esse levantamento com o anterior, realizado no mês de maio de 2022, percebeu-se que não houve alterações significativas no abastecimento de medicamentos, já que os mesmos medicamentos citados anteriormente foram citados nessa segunda fase. Além disso, as proporções de desabastecimento de acordo com a natureza jurídica e do tipo de estabelecimento permanecem semelhantes”.

Sobre o CRF-SP
Entidade responsável pela habilitação legal do farmacêutico para o exercício de suas atividades, o Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF-SP) é a maior entidade fiscalizadora de estabelecimentos farmacêuticos do país, com mais de 80 mil fiscalizações anuais em farmácias, drogarias, hospitais, indústrias, laboratórios, transportadoras e mais de 74 mil profissionais inscritos no Estado. Mais informações www.crfsp.org.br (Carlos Nascimento –- [email protected])

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.