Amor de amor

Eladir Albertini (*)

Amar…

Não se pode conjugar

O jugo é para prender

A canga é para amarrar

O amor é livre para voar

Usufruir do prazer de se entregar

Sem cobranças

Sem mudanças

O amor é sentimento

Não há como prender

Fica sufocado

Amargurado

Perde o brilho, a luz, o calor

Se transforma em dor

O que era doce e belo

Se torna amargo e velho

Doído…

Inteiramente corroído

Vem a indiferença

E como todos tem a crença

Que é terno o amor

Como a beleza da flor

É difícil entender que ela murchou

Em pó se transformou…

Amor se sente

É deleite

Como puro azeite

Dá sabor à vida

Cicatriza feridas

Mas para o amor viver

É preciso regá-lo

Alimentá-lo

O amor se nutre de amor não de jugo, nem de dor.

(*) É pedagoga e colaboradora do JA.

Compartilhe :

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Falecimento – Maria Clara Polezze Fernandes

Feira das Nações acontece neste domingo (23) na Praça do Daae

Ordem de Serviço para reforma da UBS do Santana será assinada neste sábado (22)

Agenda para curtir a cidade no final de semana (21 a 23 de junho)

Tem show nesta sexta no Sesc Araraquara

CATEGORIAS