Além do peso: o papel da saúde mental no tratamento da obesidade

0
129
Vitor Friary

Vitor Friary (*)

A obesidade é uma condição complexa, caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, que pode prejudicar a saúde e a qualidade de vida de uma pessoa. Além de potencializar comorbidades como doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, alterações na pressão arterial e certos tipos de câncer, a obesidade também implica em sérias consequências para a saúde mental. Indivíduos com sobrepeso frequentemente enfrentam estigma social, discriminação e problemas de autoestima, que podem levar a transtornos de ansiedade, depressão e distúrbios alimentares.

Um conhecido campo dentro da psicologia, a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC), aborda a obesidade não apenas focando na perda de peso, mas também nas crenças e comportamentos que fazem o problema persistir. A TCC ajuda a identificar padrões de pensamento distorcidos relacionados à alimentação, imagem corporal e autoestima, trabalhando para substituí-los por outros mais saudáveis e realistas. Essa abordagem reconhece a importância de tratar a mente e o corpo de maneira integrada, promovendo mudanças duradouras no estilo de vida.

Evidências Científicas e Exemplos

Estudos demonstram a eficácia da TCC no tratamento da obesidade e de transtornos alimentares associados. Por exemplo, pesquisas indicam que a TCC pode ajudar a reduzir a compulsão alimentar, melhorar a autoestima e promover uma perda de peso sustentável ao longo do tempo. Essa abordagem é eficaz porque ajuda os indivíduos a desenvolver habilidades de enfrentamento para lidar com as emoções e situações que desencadeiam a alimentação desordenada.

Além disso, a incorporação de princípios da Psicologia Positiva e práticas de mindfulness (atenção plena) tem mostrado benefícios adicionais. Ao focar nas forças e virtudes do indivíduo, como gratidão, otimismo e compaixão, a Psicologia Positiva complementa a TCC ao promover o bem-estar mental e a resiliência. Mindfulness, por sua vez, ajuda a aumentar a consciência do momento presente, reduzindo o comportamento alimentar automático e impulsivo.

Dicas da Terapia Cognitivo-Comportamental e Psicologia Positiva

– Identifique pensamentos distorcidos: Aprenda a reconhecer e desafiar pensamentos automáticos negativos sobre alimentação, peso e autoimagem. Substitua-os por pensamentos mais equilibrados e positivos.

– Estabeleça objetivos realistas: Defina metas alcançáveis de perda de peso e estilo de vida, evitando expectativas irreais que podem levar à frustração e ao desânimo.

– Foque nas Soluções: Concentre-se em estratégias práticas para lidar com os desafios, em vez de se fixar nos problemas. Isso inclui planejamento de refeições, atividade física regular e técnicas de relaxamento.

– Pratique Mindfulness: Integre práticas de atenção plena no seu dia a dia para melhorar a consciência corporal e alimentar, reduzindo o comer por ‘estresse’ e o negligenciar os sinais da saciedade.

– Cultive a gratidão e otimismo: Reserve um tempo diariamente para refletir sobre aspectos positivos da sua vida e progressos realizados, por menores que sejam. Isso pode aumentar a motivação e a resiliência frente aos desafios.

– Rede de Apoio: Busque o apoio de amigos, familiares e profissionais de saúde mental. Participar de grupos de apoio também pode oferecer encorajamento e compreensão mútua.

A abordagem integrada da psicologia baseada em princípios da Psicologia Positiva e práticas de mindfulness pode oferecer uma estratégia assertiva e acolhedora para enfrentar a obesidade e seus impactos na saúde física e mental. Ao focar tanto nos aspectos físicos quanto emocionais, essas técnicas promovem uma jornada de transformação para pessoas que sofrem com a obesidade.

(*) É psicólogo clínico especializado em Terapia Cognitiva Baseada em Mindfulness e diretor do Centro de Mindfulness.

(Aspas Comunicação)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.