A volta do trem de passageiros

0
181

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves (*)

O Trem Intercidades (TIC) entre São Paulo e Campinas, que representará a volta do transporte ferroviário de passageiros no Estado de São Paulo, já tem seus futuros operadores escolhidos. No leilão realizado pela B3 (Bolsa de Valores do Brasil-SP), foi homologado o consórcio C2 Mobilidade sobre Trilhos, formado pelo Grupo Comporte – controlado pela família Constantino, titular da Gol Linhas Aéreas, Metrô de Belo Horizonte, VLT da Baixada Santista e detentor de empresas de ônibus urbanos, suburbanos e rodoviários em 13 unidades federativas (inclusive o Distrito Federal) r 700 cidades, com 7.200 veículos. – e pela CRCC, com sede em Pequim (China), uma das maiores referências internacionais no fornecimento de equipamentos ferroviários.

O objeto é a implantação, manutenção e operação por 30 anos do trem expresso entre São Paulo, (Barra Funda), Jundiaí e Campinas. A Parceria Público-Privada (PPP) estabelece ainda a criação de uma linha para interligar com o trem Jundiaí, Louveira, Vinhedo e Valinhos e, também, mudanças na Linha 7 Rubi da CPTM (Companhia Paulista de Trens Urbanos de SP). A expectativa é que o trecho São Paulo – Campinas e as alterações na CPTM fiquem prontas em 2031 e a outra linha em 2029. O trecho operará o primeiro trens de média velocidade do Brasil, com deslocamento de 95 km/h, devendo cobrir o percursos São Paulo-Campinas entre 1h04 e 1h15, com o custo médio do bilhete estimado em R$ 50, reajustados anualmente pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

A implantação do TIC para Campinas é discutida há duas décadas. Porém, o estudo de viabilidade só foi contratado em 2018, no governo de Geraldo Alckmin. Seu sucessor, João Dória, realizou as etapas de consultas e audiências públicas. Assim que assumiu o governo, Tarcísio Freitas realizou outras alterações e deu andamento ao processo. Técnicos da área de transportes defendem a adoção do trem de media velocidade como meio de desafogar o trânsito nas rodovias – que hoje abrigam praticamente todo o movimento de passageiros e cargas Estimam que a entrada desse novo serviço abrirá uma grande porta econômica para toda a região de Jundiaí e Campinas, possibilitando que moradores dos seus municípios possam trabalhar na capital utilizando-se do transporte ferroviário.

Além de Campinas, o governo do Estado contratou os estudos de viabilidade econômica para a implantação do TIC de São Paulo a Sorocaba, devendo o leilão para a contratação da PPP ser realizado no próximo ano.

É importante lembrar que o desenvolvimento de praticamente todo o Estado de São Paulo deu-se sobre trilhos. Grande número de municípios só surgiram depois da chegada da estrada de ferro que inicialmente era privada. Pressões trabalhistas apoiada pela esquerda, no entanto, levaram os governos a encampar as ferrovias que, em algumas regiões já padeciam de falta de manutenção. Com o passar das décadas, a falta de atualização técnica e reparos levou ao sucateamento. Em alguns trechos em que o trem – especialmente o de passageiros – deixou de circular sob a justificativa de que os dormentes da linha estavam podres e, mesmo trafegando devagar, poderiam ocorrer acidentes. Aquilo que trouxe o desenvolvimento entrou em declínio. Nos anos 90, o governo federal – a quem São Paulo entregou suas ferrovias para saldar dívidas – promoveu o arrendamento que, na maior parte das linhas, caiu em colapso. Hoje resta apenas o transporte de cargas (não em todas as regiões) e as rodovias estão congestionadas pelo excesso de caminhões, ônibus e automóveis. As linhas estão inativas. o setor atrasado em pelo menos 30 anos. Talvez seja esse o tempo que a reativação demore se os estudos correrem normalmente e os governos não interromperem as atividades recuperadoras. Não consigo me esquecer, no entanto, que no começo dos anos 70, viajava diariamente entre São Paulo e Campinas e o trajeto, com paradas em todas as estações, era coberto em 1h 30. Logo, há meio século o tempo já era esse É de se esperar que os operadores agora em contratação possam fazer algo melhor para atender ao usuário. Especialmente porque um dos futuros operadores é uma grande produtora de material ferroviário da China. Nestas condições, espera-se que faça o melhor…É preciso melhor sempre…

 (*) É dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.