JORNAL DE ARARAQUARA
  • Fundado em 1991
  • Diretor: Geraldo Polezze
  • Vice-diretora: Marilene Volpatti
  • E-mail: redacao@jornaldeararaquara.com.br
ENTRE EM CONTATO

(EDITORIAL) Como está seu emocional?

(*) José Renato Nalini

Houve um tempo em que as pessoas procuravam saber qual era o seu QI Quociente de Inteligência. Índice apurado após questionamentos que aferiam a rapidez de raciocínio, o acervo das habilidades cognitivas desenvolvidas no ensino fundamental.

Aos poucos, verificou-se que isso não era suficiente. Afinal, a escola convencional prioriza a transmissão de informações e insiste na memorização. Descuida de outros aspectos que a ciência veio a comprovar, são muito mais importantes do que o cultivo da capacidade mnemônica.

O pensamento evoluiu para a concepção de outra inteligência, que é chamada emocional.

Inteligência Emocional

Compreende um grupo de competências vinculadas à autoconsciência, empatia, calma, autocontrole, sensibilidade, aptidão para se colocar no lugar do outro, equilíbrio. O tema se torna mais oportuno quando sabemos que as capacidades meramente cognitivas poderão vir a ser desempenhadas com eficiência maior por computadores. Os algoritmos já realizam tarefas humanas à perfeição. Por isso é que o amanhã reclama pessoas que consigam administrar o seu emocional.

Mais importante do que saber de cor uma série de dados, é a habilidade para prestar atenção nas pessoas, encará-las, olhar nos olhos, escutar de verdade. Há muitas técnicas já utilizadas, principalmente nas empresas de ponta, cujos CEOs são pessoas ajustadas à contemporaneidade e libertas do velho esquema de que interessa apenas a obtenção de resultado material.

É interessante conhecer, por exemplo, o conceito e o conteúdo de mindfulness, a meditação que ajuda a ter foco e a não perder a tranquilidade. Quem investe no seu emocional realiza tudo com eficiência maior. Já quem não se preocupa com isso vai somatizando sintomas que chegam a uma patologia. Técnicas de respiração, meditação, introspecção e muita humildade para reconhecer que toda criatura é frágil e finita. E precisa conviver em harmonia com o seu próximo.

Mente livre, tranquila, equilibrada, é a chave para uma convivência sem traumas e provavelmente prazerosa e próxima daquilo que se costuma denominar felicidade humana.

(*) É Reitor da Uniregistral, docente da Pós-graduação UNINOVE e Presidente da ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS.