JORNAL DE ARARAQUARA
  • Fundado em 1991
  • Diretor: Geraldo Polezze
  • Vice-diretora: Marilene Volpatti
  • E-mail: redacao@jornaldeararaquara.com.br
ENTRE EM CONTATO

Cartório de Imóveis:154 anos de bons serviços

'Sem Educação não se vence na Vida!

(Da Redação J.A.) João Baptista Galhardo é o Delegado do Cartório aniversariante de Araraquara. Ingressou ao realizar com sucesso o concurso de provas e receber o título do Tribunal de Justiça de São Paulo. É Secretário Geral do IRIB - Instituto de Registro Imobiliário do Brasil. Essa Instituição representa todos os registradores do país.

Em 1964, João Galhardo foi nomeado pelo Secretário de Justiça do Estado como Oficial Maior do Cartório de Registro, onde desde 1950 prestava relevantes serviços.

De 1950 a 1956 auxiliar, de 56 a 64 escrevente, 64 a 90 Oficial Maior e 92 interino. Em 92, pelo concurso realizado pelo Tribunal de Justiça, de provas e títulos disputado entre centenas de candidatos, em razão de sua classificação Dr. Galhardo foi nomeado como Delegado desse cartório.

SEGURANÇA JURÍDICA

Garantida pelo Cartório de Registro, prevista pela Constituição para a propriedade mobiliaria, se consegue com o devido registro. "Quem não registra, não é dono". A segurança jurídica da propriedade é conseguida com o registro. O contrato ou escritura é o caminho para o registro. "O direito nasce com o registro do imóvel".

NÚMERO ELEVADO

Araraquara tem matriculados 140 mil imóveis. Como a cidade é dotada de bons tabeliães, imobiliárias, construtoras e loteadoras, que levam a sério o cumprimento da legislação especifica, fica afastada a figura de imóveis clandestinos.

João Galhardo costuma dizer em suas palestras "que a matrícula é a cédula de entidade do imóvel". Uma verdade incontestável, não existem dois imóveis com a mesma matrícula.

UM CASO PARA SE PENSAR:

"Aprendi em toda a minha andança pelo Direito que todo papel é importante, todo papel é importante no Direito. Só que o registro é o mais importante, eu já vi caso de pessoa que perdeu o imóvel adquirido por escritura pública, mas que não trouxe para registro e o vendedor malandramente, sabendo que o comprador não registrou, vendeu de novo. E o segundo comprador veio e registrou e o primeiro lutando por perdas e danos", diz Galhardo detentor de memória ímpar.

EXEMPLO DE VIDA

"Eu posso dizer, sem falsa modéstia que a minha vida toda, foi uma corrida de obstáculo. Da minha infância até hoje, corrida de obstáculo. Eu acho que a dificuldade serve para você correr atrás, se esforçar e buscar utilidade para satisfazer sua necessidade. A vida é um círculo concêntrico, você tem necessidade, você se esforça para ter utilidade e para satisfazer a necessidade. Eu me lembro que muito embora trabalhando com serviço modesto, dentro o antigo fórum de Araraquara, dentro desse cartório, num domingo para salvar algum dinheiro eu lavava garrafa na conhecida baianinha do Carmo (uma fábrica de refrigerante), ia também ajudar o Luizinho Gonçalves nos doces da Padaria Lima levando um doce para casa. Então... sou muito grato ao trabalho infantil. Hoje você conhece criança poliglota que não sabe para que serve a prefeitura. Sem dúvida, a dificuldade da vida é trampolim para a prosperidade".

SEGREDO DO SUCESSO

João Baptista Galhardo, de imediato responde: O meu é enfrentar as adversidades sem culpar ninguém por elas, não ter inveja de ninguém e lutar, nada cai do céu. Com esforço supri a necessidade. Eu até hoje leio todo o dia, uma duas horas. Se procurar numa classe quem leu o índice de um livro, vai ser difícil encontrar. A cultura se transmite através de um autor, de um professor... se não houver interesse pelo aprendizado, não se consegue nada. Quando este Cartório de Registro vagou, vagou quer dizer "ficou sem titular", isso em 1992. Eu poderia ficar chorando atrás da mesa, procurando o porquê de não ser o titular? Nada disso, o Tribunal colocou em concurso e fui disputar a Delegação com mais de 3 mil e não sei quantos. Um exemplo, da infância. Para ter uma bicicleta comprei usada e depois de uns 3 ou 4 anos trabalhando no Fórum. Eu fui estudar no Colégio Duque de Caxias, único colégio à noite, até porque não tinha condição de pagar a mensalidade. Era o único colégio, sou grato até hoje ao Professor Jorge Borges Correia o proprietário do colégio. Eu falo isso pra todo jovem: sem aprendizado, sem educação, educação genericamente falando, não se vence na vida".