JORNAL DE ARARAQUARA
  • Fundado em 1991
  • Diretor: Geraldo Polezze
  • Vice-diretora: Marilene Volpatti
  • E-mail: redacao@jornaldeararaquara.com.br
ENTRE EM CONTATO

(EDITORIAL) A INGRATIDÃO

Texto: João Baptista Galhardo

Ingrato é todo homem que não reconhece um benefício. É um desagradecido. A ingratidão é um sentimento mesquinho para o qual não se encontra explicação.

Todos nós conhecemos pessoas mais e pessoas menos ingratas. Cícero dizia que o homem ingrato não é digno de receber os raios do sol. É da própria natureza, o homem reagir com ingratidão as benesses que recebe.

A ingratidão é a mais nojenta cicatriz de caráter. Despreza e apedreja hoje quem beneficiou ontem. Pessoas que são apoiadas, assistidas, socorridas, auxiliadas e amparadas, mas que se esquecem com facilidade as beneficências de que foram objeto.

Por qualquer motivo se voltam contra aqueles que os ajudaram, e até mesmo com mentiras, procuram prejudicá-los, como necessidade de justificar seu condenável comportamento.

A ingratidão é doença dos fracassados e dos infelizes.

Samuel Leibowitz, famoso advogado criminalista americano, antes de se tornar juiz, salvou setenta e oito homens da cadeira elétrica, e lamentava não ter recebido de nenhum deles, sequer um cartão de Natal.

Um milionário americano presenteou um parente com um milhão de dólares. Mas o agradecimento do beneficiado durou pouco, pois uns meses depois o benfeitor faleceu, e para surpresa do agraciado, ele deixara 3oo milhões de dólares para entidades filantrópicas, o que levou o recebedor do "mísero milhão", a excomungá-lo e desejar-lhe o inferno.

Recentemente assisti um gesto de ingratidão. Um cidadão recebendo intimação para pagar um cheque sem provisão de fundos, procurou saber quem levara o título à protesto, e quando soube de quem se tratava, disse : "esse cara não presta, faz tanto tempo que ele me emprestou esse dinheiro e agora quer receber". Eu lhe perguntei se o credor lhe havia cobrado juros. Ele disse que não... mas depois de tantos meses, pensei que não cobraria mais.

É dessa forma.

O credor perdeu o dinheiro, o amigo e por certo será alvo de calúnias

Cristo, vítima das maiores ingratidões, caminhava para Jerusalém. Quando passava entre Samaria e a Galiléia e pronto para entrar num povoado, dez leprosos, de longe, gritaram, suplicando-lhe a cura. Todos foram curados e apenas um voltou e Lhe agradeceu de joelhos. Então Cristo perguntou: não foram dez os curados? Onde estão os outros nove? Sentiu Jesus, a ingratidão daqueles que partiram sem agradecer. E disse ao samaritano agradecido: "Levante e vá. Sua fé o salvou" ( Lucas, 17:11-19).

Qualquer um pode ser ferido com a ingratidão.

Não sofrer com ela é que devemos aprender. É um aprendizado difícil. Mas não impossível. A decepção é sempre proporcional ao que se espera. É a maior ou a menor expectativa que nos faz sofrer mais ou menos. Por isso, faça o que puder sem esperar gratidão de quem quer que seja. Quando a ingratidão lhe ferir ou quiserem com ela lhe atormentar, não ligue. Ore para ter a força da desculpa e a caridade do perdão. Agora... conviver com o ingrato?

Fica aí a reflexão.

jbgalhardo@uol.com.br