JORNAL DE ARARAQUARA
  • Fundado em 1991
  • Diretor: Geraldo Polezze
  • Vice-diretora: Marilene Volpatti
  • E-mail: redacao@jornaldeararaquara.com.br
ENTRE EM CONTATO

Crime: as queimadas urbanas

Professor de Biologia da UNIARA demonstra malefícios

As queimadas urbanas prejudicam a população principalmente em períodos de estiagem, como o que ocorre no momento. A professora de Biologia da Universidade de Araraquara UNIARA, Flávia Sossae promove conscientização. "É uma prática comum dos moradores que consiste em atear fogo no lixo, restos de poda ou roçagem e em terrenos ou espaços vazios com muito mato. Afeta a saúde humana, pois há diversos elementos tóxicos contidos na fumaça da queimada, entre eles o material particulado, que é formado por partículas de vários tamanhos, sendo que menores - finas ou ultrafinas - percorrem todo o sistema respiratório na inalação e conseguem transpor a barreira epitelial, ou seja, o tecido que reveste os órgãos internos.

MONÓXIDO

Há também o monóxido de carbono que, quando inalado, atinge o sangue e se liga à hemoglobina, impedindo o transporte de oxigênio para células e tecidos do corpo. As pessoas que mais sofrem são idosos e crianças, "pois a inalação da fumaça pode provocar infecção do sistema respiratório, asma e bronquite; irritação nos olhos, nariz e garganta; tosse; falta de ar; vermelhidão e alergia na pele; conjuntivite e distúrbios cardiovasculares".

CRIME

As queimadas urbanas "são consideradas crime ambiental, de acordo com a Lei 9.605 de 1998 que, em seu artigo 54, descreve o crime de poluição, que consiste no ato de causar poluição, de qualquer forma, que coloque em risco a saúde humana ou a segurança dos animais, ou destrua a flora".

PRA EVITAR

Exemplo clássico desse crime é a queimada de lixo doméstico, que emite poluição na forma de fumaça, causa risco de incêndio para as habitações locais, destrói a vegetação e pode causar a morte de animais que ocupem as redondezas", diz Flávia. (Para denunciar queimadas: 0800 7701595)