JORNAL DE ARARAQUARA
  • Fundado em 1991
  • Diretor: Geraldo Polezze
  • Vice-diretora: Marilene Volpatti
  • E-mail: redacao@jornaldeararaquara.com.br
ENTRE EM CONTATO

SITE COM SUA HISTÓRIA

A psiquiatra lança site com sua história quando perdeu filho e tem transformado o luto em missão.

(Jundiaí, 07 de Maio de 2018) Maria Cristina, psiquiatra e mãe de Felipe dá mais um passo em sua jornada na prevenção do suicídio e apoio às famílias sobreviventes: o site suicidioepidemiacalada.com.br. onde ela compartilha sua história, expõe os quadros pintados por seu filho e disponibiliza um livro para download.

MOMENTO TERRÍVEL

"Um mundo devastado, assustador e apavorante surgiu. Eu vi a cara da morte suicida e o pior, no meu filho Felipe. Em questão de horas pensamentos novos e sentimentos atordoantes me tomaram de forma cruel.

A fatalidade surpreendente me jogou de encontro a uma realidade que jamais tinha aventado", detalha Maria Cristina que vem defendendo que é possível prevenir novos casos.

SUICÍDIO

Os dados da Organização Mundial de Saúde reforçam que é preciso falar sobre autoextermínio. A estimativa da OMS é que ocorra uma morte a cada 40 segundos no mundo e o mais intrigante é que 9 em cada 10 casos podem ser evitados.

9 EM CADA 10 CASOS PODEM SER EVITADOS.

Com sua perda, Maria Cristina tem trabalhado nos últimos anos para que esses índices diminuam, principalmente entre jovens.

Os quadros de Felipe mostram o agravamento de seu estado mental, com uma fase azul e outra mais obscura, com cruz, arame farpado e outros elementos pintados representando a morte. "A maioria dos quadros só fomos encontrar depois de sua morte, em seu apartamento, escondidos debaixo da cama, do colchão e enrolados dentro dos armários. De forma intencional e lúcida, escondeu suas verdades existenciais expressas em suas pinturas tão reveladoras", conta a mãe-psiquiatra.

O LIVRO

O Suicídio: a epidemia calada, mesmo nome do site e da página do Facebook, traz um resumo dos três últimos anos de Felipe. "Encontrei em seu apartamento cinco cadernos, manuscritos com 10 anos de diário minuciosamente relatados. Eles ficaram guardados por um ano, até que pensei encontrar nas folhas as respostas desejadas", diz Maria Cristina.

MÃE E MÉDICA

A mãe e médica publicou duas edições impressas do livro e agora traz a versão virtual para download por R$ 14,99. O objetivo é que as pessoas que se encontram em sofrimento ou convivem com pessoas que possam ter alguma ideação suicida, ao lerem o livro e encontrarem alguma identificação, entendam que é possível pedir ajuda e escrever outro final. "Para cada suicida, outras quatro pessoas acabam sentindo essa perda de um modo mais grave, podendo adoecer, entrar em depressão e continuar com esse ciclo mortal", lamenta.

APOIO E ORIENTAÇÃO

Para orientar quem perdeu alguém próximo por suicídio, evitando um ciclo mortal, a dra. Maria Cristina realiza palestras por todo o Brasil. Afirma que os sobreviventes também precisam formar uma rede de apoio. "Como família, ficamos atônitos, confusos, transtornados e constrangidos por tal ocorrência. Passamos a conviver com estigmas, preconceitos e discriminações íntimas e públicas, impotentes perante esta verdade inexorável", descreve.

A PAZ DE NOVO

"Hoje, passados quase cinco anos do suicídio do Felipe me encontro em paz comigo mesma. De vez em quando ainda caio no abismo do remorso, mas agora tenho recursos para não me deixar ficar lá".

SOBRE A MÉDICA

Maria Cristina é formada em Medicina, foi médica sanitarista e professora de Saúde Pública em Jundiaí. Desde 1996, atua como médica psiquiatra. Em 2012, a psiquiatra perdeu o filho de 34 anos por suicídio e desde então trabalha na prevenção por meio de palestras para especialistas da área de saúde, estudantes universitários e membros de entidades.

Lançamento do site da Dra. Maria Cristina, a psiquiatra que perdeu o filho para o suicídio. No suicidioepidemiacalada.com.br, a autora compartilha sua história, expõe os quadros pintados por seu filho, que tirou a própria vida há 5 anos, disponibiliza livro para download.

Já que o tema suicídio tem estado em alta ultimamente, com o lançamento da segunda temporada da série 13 Reasons Why, a morte do DJ Avicii e os suicídios de adolescentes em São Paulo, a médica lança o seu site.