JORNAL DE ARARAQUARA
  • Fundado em 1991
  • Diretor: Geraldo Polezze
  • Vice-diretora: Marilene Volpatti
  • E-mail: redacao@jornaldeararaquara.com.br
ENTRE EM CONTATO

(Editorial) Prefeito Edinho, condenação não faz bem

O Município tem prazo de 60 dias para finalizar laudo "minucioso" especificando as providências para obter Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) para todas as escolas. Incluindo cronograma de execução de obras, no prazo de 120 dias.

As obrigações foram impostas pela 2ª Vara do Trabalho de Araraquara, em Ação Civil Pública provocada pelo Ministério Público do Trabalho.

Procurador Rafael de Araújo Gomes ajuizou ação, baseado em inquérito, comprovando risco pela ausência de prevenção contra incêndios.

"O descaso com a vida dos milhares de alunos e profissionais que utilizam essas escolas é simplesmente completo e sem limites. Nada feito para se buscar a regularização do problema gravíssimo e urgente. E nenhuma promessa ou previsão é feita, nenhuma garantia de regularização é dada, esperando o Município, com certeza, jogar o problema para baixo do tapete, lavando as mãos com relação à prevenção de incêndios", afirma Procurador Rafael Gomes.

MANDA PRO PAU

Na prefeitura, outra ação relacionada ao cofre raspado por culpa do ex-prefeito Barbieri ou do atual Edinho (isso é irrelevante, eles trocam farpas, mas, é o povo que sofre as consequências), originando-se prática deletéria, prejudicial que recebe muitas críticas. Essa postura, no entanto, encontra vereadores calados e subservientes que deixam de realizar sua tarefa primordial: fiscalizar o Executivo e defender o povo no tocante à multa de terreno baldio, com eventual mato, que estipula elevada quantia encaminhada ao Tribunal de Justiça, num só jato, com a finalidade é pressionar o indefeso contribuinte.

Os políticos infelizmente se esquecem do efeito bumerangue, como se estivessem felizes com o mandato (in)finito.

Para o povo, as lamentações pelo prefeito fazer o que quer e vereadores, rasgando o diploma de advogados de nossa gente, demonstram que não estão nem aí. Uma calamidade para a democracia representativa, sem representação condizente, nesta nossa "Morada do Sol".