INÍCIO
BRASIL
CIDADE
CULTURA
GERAL
BLOG-POLEZZE



Nadando contra
Atualizada 9 de março de 18 |  Comentários -   E-mail | Imprimir | Permissões e Reproduções | Assine matérias como esta | Compartilhar no facebook Siga Jornal de Araraquara no Twitter

Edna Martins (*)

Em pleno século XXI podemos responder que as mulheres querem um novo mundo, um novo marco civilizatório. Até aqui a humanidade foi incapaz de promover a igualdade entre os sexos. Esse modelo de sociedade em que vivemos continua alimentando antigos valores e crenças e já mostrou sua limitação em promover a felicidade ou o bem-estar de todos. Excludente, não respeita as diferenças, não valoriza as pessoas pelo que são, por seus esforços, mas pelo que possuem.

As vozes das mulheres são bem claras!

Que as pessoas possam ser quem são, sem perturbação. Que sejam respeitadas as suas diferenças! Queremos uma democracia onde todos tenham direito a voz, voto, ser votado. Que todos independente de sexo, raça, classe social, religião, tenham direito a uma vida digna, ao desenvolvimento pessoal, acesso ao trabalho em condições de igualdade.

LUTAR É NECESSÁRIO

Ao mesmo tempo, é nadar contra a correnteza. O movimento de mulheres é, por definição, resistência. Nesta condição mudou vidas, oportunizou a esperança. Não são poucos os intelectuais que reconhecem que o movimento de mulheres é responsável pelas principais mudanças culturais de nossa história. Precisamos seguir lutando!

Nossas meninas crescem num mundo violento, experimentam uma violência contra as mulheres: assédios, estupros, mortes. Esse é o roteiro.

Para mudar esse estado das coisas é preciso ter a sabedoria de nos juntar. Respeitar nossas diferenças e seguir juntando forças para a construção de novos valores que transformem a realidade.

Nessa construção é preciso tornar o feminino um signo positivo. É preciso que a sociedade reconheça as potencialidades das mulheres e valorize suas realizações. É preciso deixar de considerar o feminino sempre em oposição ao masculino, como forte-fraco.

São grandes as nossas responsabilidades ao buscar a transformação e sabemos que podemos causar mudanças.

Podemos fazê-lo se estivermos juntas no que nos une: um mundo sem injustiça de nenhuma espécie. Um mundo que inclua a todos.

Utopia? Não esqueçamos que um dia não tivemos direito ao estudo, ao trabalho, opinião, liberdade, ao voto!

Estamos num outro lugar da história graças a mulheres destemidas que não acharam que era impossível.

Lembrando Ema Goldman, trazemos uma importante lição da história, sempre foi por seu próprio esforço que os oprimidos tiveram a capacidade de libertar-se a si mesmos.

Assim vamos todas, nestes tempos de intolerância, buscar nosso lugar construindo uma outra história.

(*) Edna Martins é socióloga e diretora da Drads-Araraquara


Copyright 2018 JORNAL DE ARARAQUARA. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem permissão explícita do detentor dos direitos autorais.


Regras para comentários: Respeite outros leitores de nossa comunidade, portanto faça apenas comentários inteligentes e civilizados. Não ataque outros leitores pessoalmente e utilize sempre uma linguagem de alto nível.

Login: Identifique-se para deixar um comentário Log in | Registre-se
Título:
Comentários: (Seja o primeiro a comentar)

  REFIS 2018






Direitos Reservados (c) 2018 - JORNAL DE ARARAQUARARA LTDA