INÍCIO
BRASIL
CIDADE
CULTURA
GERAL
COLUNAS



Pai dá o começo!
Atualizada 11 de agosto de 17 |  Comentários -   E-mail | Imprimir | Permissões e Reproduções | Assine matérias como esta | Compartilhar no facebook Siga Jornal de Araraquara no Twitter

Texto: João Baptista Galhardo

Inspirei-me num texto, com título semelhante de autor desconhecido, que me levou ao passado. Recordação da infância.

Quando pegávamos uma tangerina para descascar, corríamos para o pai e pedíamos: Pai dá o começo. Queríamos que ele fizesse o primeiro rasgo na casca, o mais difícil e resistente para as mãos de uma criança.

Ele, o pai acabava descascando a fruta inteira.

Em outras vezes tirávamos o restante da casca a partir da primeira abertura que ele havia feito.

Acho que pedíamos para ele dar o começo só pela satisfação de vê-lo atender nossa vontade.

Meu pai morreu faz tempo. Precocemente. Mas tive a satisfação de acompanhá-lo dando o começo. Não só na tangerina. Mas apontando um lápis com o canivete. Colando as folhas de papel de seda para uma pipa estrela. Enrolando o barbante no pião de madeira. E até segurando o nosso bode Raimundo para eu montar. O nome homenageava o amigo que nos deu o caprino de presente. Sinto saudade da companhia do meu pai formado na escola da vida (e que vida!) pelo menos para trocar ideias e "começar o começo" das eventuais cascas duras que a vida nos impõe.

Hoje, as nossas "tangerinas" são outras.

Precisamos "descascar" as dificuldades do trabalho, os obstáculos de relacionamentos, as maledicências fertilizadas na inveja, problemas de vários núcleos, a torcida incessante para a felicidade dos filhos e seus descendentes. Os rancores. Traumas, dificuldades e até as dúvidas e conflitos que nos afligem nos desafios diários.

Vivemos cercados de psicopatas. Coice de burro e pedradas de louco todo mundo está sujeito. As tangerinas em certas ocasiões transformam-se em enormes abacaxis.

Meu pai dizia que o amor de Deus é a garantia de todas as vitórias. Era um franciscano e como tal um conformado.

Com o passar dos anos, todos aprendem (ou pensam que sabem) descascar suas tangerinas sem ajuda.

Eu gostaria que meu pai ainda vivesse para me ajudar a descascar minhas tangerinas. Pelo menos dar o começo...

Com a idade a vida nos ensina a descascar, sem ajuda, as durezas de cada dia. Aprendemos a fazer o que temos que fazer hoje.

Uma tangerina por dia.

Ontem é história. Amanhã é incerteza. Hoje é uma dádiva. Infeliz quem não aprendeu a descascar suas "tangerinas" sem auxílio de terceiros.

Como dizem os alicantinos ontem é um cheque usado, amanhã é uma promissória. Hoje é o dinheiro que cada um tem para gastar da melhor forma possível que lhe agrade e contente os que lhe amam. Aprendemos a viver a cada momento. Sem pressa. Aproveitando o "agora". Não devemos ser duros conosco. Não temos a obrigação de ser perfeitos. Nem exigir perfeição de quem quer que seja. Muito menos descascar as tangerinas de todo mundo.

Vale a experiência.

Na vida não se deve perder a oportunidade de uma reconciliação entre pessoas amadas. Nem sofrer por coisas que não chegam a acontecer.

Preocupação é pagamento de juros antecipado. Pensar mais com o coração do que com a cabeça. Afastar o ódio e a amargura que só causam danos à saúde. Que só o amor supera tudo e medo e orgulho só nos fazem o mal.

Até morrer, temos apenas uma obrigação: a de ser feliz. E colaborar para a felicidade do próximo.

Agindo assim descascaremos, com facilidade, não só as tangerinas, mas os abacaxis da vida!

jbgalhardo@uol.com.br


Copyright 2017 JORNAL DE ARARAQUARA. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem permissão explícita do detentor dos direitos autorais.


Regras para comentários: Respeite outros leitores de nossa comunidade, portanto faça apenas comentários inteligentes e civilizados. Não ataque outros leitores pessoalmente e utilize sempre uma linguagem de alto nível.

Login: Identifique-se para deixar um comentário Log in | Registre-se
Título:
Comentários: (Seja o primeiro a comentar)

 






Direitos Reservados (c) 2017 - JORNAL DE ARARAQUARARA LTDA