JORNAL DE ARARAQUARA
  • Fundado em 1991
  • Diretor: Geraldo Polezze
  • Vice-diretora: Marilene Volpatti
  • E-mail: redacao@jornaldeararaquara.com.br
ENTRE EM CONTATO

(Editorial) Os fatos

Texto: Antonio Delfim Netto

É preciso ter consciência que do "imbróglio" que estamos vivendo só nos livraremos com a volta a um desenvolvimento econômico sustentável e mais equânime, o que exigirá um aumento da produtividade média do trabalho.

Uma política insensata, cujo objetivo único foi reeleger a presidente, criou uma tragédia: enquanto aumentava a relação dívida bruta/PIB de 52% para 70%, reduzia o investimento público, expulsava o investimento privado, destruía a indústria e deixava um rastro de quase 14 milhões de desempregados. Tudo foi sacrificado em favor de despesas de produtividade duvidosa, como os exagerados salários da alta administração pública e suas generosas aposentadorias. Os trabalhadores do setor privado que a sustentam perderam o emprego ou viram reduzir os seus salários, enquanto o corporativismo "extrativista" blindado contra as flutuações da conjuntura continua a "exigir" mais aumento!

Qual o resultado final dessa melodia?

Os que estão trabalhando viram diminuir sua produtividade por falta de investimento e os que estão desempregados viram a sua reduzida a zero por falta de demanda. De 2013 a 2016, a produtividade média do trabalhador brasileiro caiu em torno de 8%! A solução não é nada simples. Aumentar os impostos e cortar ainda mais o consumo e o investimento do setor privado para pagar salário público? Continuar a aumentar a dívida pública? Seu nível já é elevado e aumentaria a pressão sobre a taxa de juro real. Para dar certo, seria preciso um multiplicador fiscal improvável.

Ah! Há uma solução "genial" da esquerda estudantil: dar um calote na dívida pública! Na sua alienação, ela crê que o credor é o sistema financeiro. Não! Ele é apenas o intermediário: compra a dívida do governo com os depósitos bancários de todos os cidadãos (inclusive os dela!). O resultado seria um desastre ainda maior do que o confisco da liquidez da sociedade feita no plano Collor.

A verdade é que as coisas caminhavam

bem até a tragédia da delação da JBS

O sistema resistiu bem e a Câmara dos Deputados cumpriu o seu papel. Deu a Temer apenas a oportunidade de tentar aprovar as "reformas". Essa foi, mesmo, a menos pior das soluções. A prova é que o "risco-Brasil" voltou, no último dia 4, ao mesmo nível de antes da crise.

(*) Ex-ministro da Fazenda (governos Costa e Silva e Médici), economista e ex-deputado federal. Professor catedrático na USP. Texto publicado originalmente pela Folha de S.Paulo.