INÍCIO
BRASIL
CIDADE
CULTURA
GERAL
COLUNAS



Prefeito preocupado com as motos
Atualizada 30 de dezembro de 99 |  Comentários -   E-mail | Imprimir | Permissões e Reproduções | Assine matérias como esta | Compartilhar no facebook Siga Jornal de Araraquara no Twitter

Araraquara, há algumas décadas, tinha alguns táxis e charretes de luxo. O leito rodante bastante seguro onde a garotada jogava bola de meia numa boa. Por horas seguidas, sem acidente. Agora, motos e veículos 4 rodas disputam palmo a palmo o direito de trafegar, com a devida rapidez. A convivência não é tranqüila.

O que o prefeito Edinho pretende fazer?

"O que acontece com uma cidade do porte de Araraquara? Nós tivemos a recuperação econômica e o fato de o Brasil ter crescido muito no último período faz a renda, principalmente do trabalhador jovem, melhorar bastante. Assim, quem não tem condição de adquirir um carro certamente pode comprar uma moto. Mensalidade relativamente pequena. Com a estabilidade econômica, o cidadão suporta pagar sem problemas. Então temos um crescimento grande do número de motos no município. Penso que a cidade vai ter que fazer um estudo, talvez criar corredores para motos a fim de aumentar a segurança dos motociclistas. Notadamente onde eles andam perdendo a vida, em vias de maior velocidade.

Temos que estudar uma política de ciclovias, estamos fazendo corredores de ciclovias em Araraquara. Quer dizer, devemos estudar a solução e ao mesmo tempo investir pesado nas campanhas educativas. Significa repensar as vias futuras, mais largas, com um novo modelo onde se tenha condições de adaptar o corredor de motos".

Araraquara está sendo impermeabilizada. A saída dos trilhos permitirá área enorme e uma diretriz inteligente precisa contemplar a natureza. Qual a opinião do prefeito a respeito dessa área que unirá centro / Vila Xavier?

"A formação inicial geográfica de Araraquara são dois morros: o que se inicia na baixada do Santana e termina na Via Expressa e o que forma a Vila Xavier que também atinge a Expressa. Essa é a origem da cidade, a região focada é um aluvião onde as águas se encontram. Tanto que fizemos uma obra caríssima para a recuperação do Córrego da Servidão, na canalização debaixo da Expressa. Porque a pressão da água é muito forte, é uma área em que todos os projetos devem preservar a área livre para absorver a água. Nós estamos discutindo com a comunidade, com os técnicos da prefeitura... é um grande parque linear onde você deve conciliar comércio de baixo impacto e moradia.

Conversando com alguns urbanistas ficou assentado que a residência é um conceito que o mundo todo usa. Locais que não têm residência tendem a abrir espaço populista e alguns freqüentadores acabam criando condições para deteriorar o ambiente. Gente transitando, gente andando evita atividades ilícitas e perigosas. Ali tem que ter moradia para eliminar o risco de virar um parque onde as pessoas tenham medo de andar, medo de caminhar. Deverá ser um parque linear, num projeto harmônico para se caminhar, sem impermeabilização do solo e garantia de comércio e residências para que a região tenha muita vida, seja bem freqüentada e que as pessoas tenham segurança".


Copyright 2017 JORNAL DE ARARAQUARA. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem permissão explícita do detentor dos direitos autorais.


Regras para comentários: Respeite outros leitores de nossa comunidade, portanto faça apenas comentários inteligentes e civilizados. Não ataque outros leitores pessoalmente e utilize sempre uma linguagem de alto nível.

Login: Identifique-se para deixar um comentário Log in | Registre-se
Título:
Comentários: (Seja o primeiro a comentar)

 






Direitos Reservados (c) 2017 - JORNAL DE ARARAQUARARA LTDA